Lloyd’s volta aos lucros e diz-se pronta a ajudar parceiros

  • ECO Seguros
  • 26 Março 2020

Maior rigor nas subscrições e bons investimentos fizeram o mais antigo mercado de seguros regressar a resultados positivos em 2019. A tempo de ajudar parceiros e clientes a enfrentar o Covid-19.

O Lloyd’s of London, gigante segurador mundial, voltou aos lucros em 2019, reportando 2,5 mil milhões de libras de resultados positivos depois de perdas de mil milhões em 2018 e dois mil milhões um ano antes.

A inversão de resultados deu-se, segundo o Lloyd’s, através de corte de custos na compra de seguros, obtido principalmente por um maior rigor nas subscrições de riscos e por um sólido retorno dos investimentos nos mercados de capitais.

O Mercado, como é conhecido, apresentou ainda uma Margem de Solvência de todos os seus parceiros de 205%, apesar da instabilidade dos mercados financeiros nas últimas semanas.

Com este resultado o Lloyd’s afirma que está em condições de ajudar os seus parceiros e clientes nas consequências provocadas pela crise Covid-19.

Embora nenhuma informação tenha sido revelada, a imprensa britânica revela que todos os membros do Lloyd’s têm sido inquiridos pela administração sobre os impactos financeiros estimados por danos provocados pela pandemia.

Como primeira conclusão comenta que as catástrofes naturais, responsáveis pelos grandes prejuízos dos anos anteriores, foram agora substituídas pelo cancelamento de grandes eventos, por exemplo o adiamento dos Jogos Olímpicos 2020, como causa de preocupação para seguradoras do Lloyd’s, nomeadamente para a Beazley e para a Hiscox.

Reforçado pelos resultados, Bruce Carnegie-Brown, chairman do Lloyd’s afirma: “mais que nunca, os nossos clientes precisam que os apoiemos nos próximos desafiantes tempos”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lloyd’s volta aos lucros e diz-se pronta a ajudar parceiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião