Crise não será superada sem uma forte solidariedade europeia, diz Macron

  • Lusa
  • 28 Março 2020

"Eu não quero uma Europa egoísta e dividida", disse Emmanuel Macron, afirmando que esta crise não pode ser superada "sem uma forte solidariedade europeia, em termos de saúde e orçamento".

O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou que a crise causada pelo novo coronavírus não pode ser superada “sem uma forte solidariedade europeia, em termos de saúde e orçamento”, numa resposta a perguntas de três jornais italianos, publicadas este sábado.

Macron respondia assim, através dos jornais “La Stampa“, “La Repubblica” e “Corriere della Sera“, ao bloqueio apresentado pela Holanda e pela Alemanha ao apoio de um plano de ajuda da União Europeia (UE) para enfrentar as repercussões económicas. “Tal como Giuseppe Conte, eu não quero uma Europa com o menor denominador comum. O momento é histórico: França lutará por uma Europa solidária, soberana e de futuro“, acrescentou.

“A Europa deve estar orgulhosa e sentir-se forte, porque o é. Mas deve ir muito mais longe. É por isso que defendo a solidariedade orçamental na gestão da crise e das suas consequências”, disse o líder francês, afirmando ainda que “alguns países estão a comportar-se como se Itália ou Espanha fossem responsáveis por isto, quando, pelo contrário, são as primeiras vítimas e este vírus não perdoa ninguém”.

“O que me preocupa é a doença do ‘todos pensam em si próprios’ e se não estivermos unidos, Itália, Espanha e outros países poderão dizer, com razão, aos seus parceiros europeus: onde estavam vocês enquanto estávamos na frente? Eu não quero uma Europa egoísta e dividida“, disse. Questionado sobre porque ignorou os sinais de alerta da Itália sobre o coronavírus, Macron defendeu-se dizendo que abordou a crise “com seriedade e gravidade desde o princípio, quando começou na China”.

“Em cada etapa segui três princípios essenciais: basear as nossas decisões em pareceres científicos, adaptar-me à evolução da crise, tomar medidas proporcionais. Tomámos as medidas mais fortes em França o mais cedo possível. Face a um número semelhante de casos, adotámos as medidas de restrição social alguns dias antes dos nossos parceiros europeus“, afirmou.

Os próximos passos de Macron serão “antecipar e coordenar as medidas para sair da crise”, como indicado “na carta assinada por nove países e que foi entregue durante o Conselho Europeu de quinta-feira”. “É claro que estas medidas terão de ser adaptadas a cada país: não iremos pedir aos italianos nem aos franceses, que foram submetidos às medidas restritivas antes dos outros países europeus, que fiquem estagnados à espera dos outros. Mas se não trocarmos informações sobre essas medidas, se não as coordenarmos, teremos um problema político e de saúde“, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crise não será superada sem uma forte solidariedade europeia, diz Macron

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião