Espanha regista 832 mortos em apenas 24 horas. Atividades não essenciais paralisadas a partir de segunda-feira

O número de casos confirmados de coronavírus em Espanha está nos 72.248, com o número de vítimas mortais a bater um recorde de 832 nas últimas 24 horas, totalizando 5.690.

O número de casos confirmados de coronavírus em Espanha está nos 72.248, com o número de vítimas mortais a bater um recorde de 832 nas últimas 24 horas, totalizando 5.690, anunciou o Ministério da Saúde daquele país. Há mais de 40 mil pessoas hospitalizadas e mais de 12 mil já recuperaram. O Governo decretou a paralisação de todas as atividades não essenciais a partir de segunda-feira.

De acordo com o último balanço feito pelas autoridades espanholas, este foi um novo recorde no número diário de vítimas mortais. Até ao momento, 5.690 pessoas faleceram devido a este surto. Dos 72.248 infetados, 40.630 estão hospitalizados e 4.575 estão nos cuidados intensivos. Registam-se ainda 12.285 pessoas curadas.

Madrid continua a ser a zona mais afetada pela pandemia, com o número total de casos a ascender a 21.520, enquanto se contam 2.757 pessoas falecidas.

Esta madrugada, diz o jornal La Vanguardia (conteúdo em espanhol), aterrou no aeroporto Adolfo Suárez Madrid-Barajas um primeiro envio com cerca de 1,2 milhões de máscaras de proteção. Este material destina-se a profissionais de saúde e trabalhadores do setor dos transportes, segundo anunciou o Ministério dos Transportes do país vizinho.

Apesar destes números, as autoridades espanholas disseram que a situação estava a melhorar em certas zonas do país. “Não sabemos exatamente quando vamos ter a confirmação, mas estamos perto do pico da curva. Em algumas zonas do país pode até ter-se ultrapassado esse pico da curva, mas precisamos de ser cautelosos com informações preliminares”, disse o diretor do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências em Saúde do Ministério da Saúde, Fernando Simón.

Governo paralisa todas as atividades não essenciais a partir de segunda-feira

O presidente do Governo espanhol anunciou este sábado a paralisação de todas as atividades não essenciais no país, entre 30 de março e 9 de abril, medida que será aprovada no domingo, em Conselho de Ministros extraordinário. Pedro Sánchez justificou esta “medida excecional” com a necessidade de “intensificar a luta contra a propagação do coronavírus” no país e avançou que os espanhóis têm pela frente “dias muito duros”.

Numa intervenção na Moncloa, sede do Governo espanhol, o chefe do executivo adiantou que esta “medida excecional” implica que todos os trabalhadores de atividades não essenciais “devem ficar em casa a partir de segunda-feira”, em “licença remunerada”, recebendo o respetivo salário “com normalidade”. Quando terminar a pausa forçada, os trabalhadores terão de compensar, de “forma paulatina”, este período de inatividade.

(Notícia atualizada às 19h04 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha regista 832 mortos em apenas 24 horas. Atividades não essenciais paralisadas a partir de segunda-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião