Com mais tempo em casa, procura por livros online aumenta. Há títulos que se destacam

O Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago, e A Peste, de Albert Camus, têm tido uma procura superior ao normal, nesta altura em que se vive uma pandemia.

Devido à pandemia de Covid-19, grande parte dos portugueses está em teletrabalho, e passa mais tempo por casa. Multiplicam-se as sugestões sobre o que fazer durante este tempo, e a leitura é uma delas. As pessoas começam a procurar livros para ocupar o tempo em casa, maioritariamente online. E algumas escolhas destacam-se, nestes tempos diferentes do habitual.

Os primeiros casos em Portugal foram anunciados no início do mês de março, e à medida que a situação foi evoluindo começaram a aparecer recomendações para não sair. “Assim que se registaram os primeiros apelos aos portugueses para ficarem em casa, começamos a registar um aumento da procura do nosso catálogo e das nossas ofertas em livros”, aponta Pedro Falé, diretor comercial Fnac, ao ECO.

A cadeia de lojas aponta mesmo que as vendas “quase que triplicaram em algumas categorias de livros”. A procura “deu-se mais no online“, nomeadamente visto que a Fnac “encerrou grande parte das suas 33 lojas assim que a situação se agravou e o Governo decretou o estado de emergência”.

O estado de emergência foi decretado a 18 de março e as medidas definidas pelo Governo entraram em vigor no último domingo. Entre elas incluem-se restrições às saídas de casa bem como para atividades económicas que envolvam o atendimento ao público em estabelecimentos comerciais.

Já para a Porto Editora, estes “primeiros tempos de isolamento e resguardo” levaram a uma queda nas vendas, indica fonte oficial ao ECO. “Ainda assim, há que salientar que dois títulos têm tido uma procura excecional: Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago, e A Peste, de Albert Camus”, acrescenta. Livros estes cujas histórias abordam temas semelhantes à situação que se vive atualmente.

A editora, que engloba marcas como a Areal e a Bertrand, aponta, no entanto, que “a expectativa é que, perante as circunstâncias do fecho dos espaços físicos – o que é deveras preocupante, em especial ao nível do pequeno retalho –, as pessoas comecem a usar os canais online, até porque há livrarias virtuais a funcionar muito bem”.

Esta é também a expectativa da Leya. Fonte oficial do grupo aponta, ao ECO, que “por enquanto ainda é muito cedo para avaliar” o impacto do isolamento nas vendas. “Mas a expectativa é que a venda de livros online tenha um aumento considerável e é para isso que a Leya está a trabalhar”, refere.

O grupo editorial diz que “as novidades previstas para o final de março e abril serão publicadas quando o mercado normalizar”. No entanto, continuam a “trabalhar nas novidades já publicadas e a colocar a tónica na livraria online, onde todos estes livros estão disponíveis em formato físico e ebook“.

Nesta altura vão surgindo também várias campanhas para incentivar a leitura. O Clube do Autor decidiu selecionar cinco romances para enviar, em formato digital e de forma completamente gratuita, a quem os solicitar. Desde o lançamento desta oferta, na semana passada, já receberam mais de 500 pedidos, adiantou a editora, em comunicado.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com mais tempo em casa, procura por livros online aumenta. Há títulos que se destacam

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião