Covid-19: Mais de mil milhões de pessoas confinadas em casa

  • Lusa
  • 23 Março 2020

Mais de 50 países ou territórios já determinaram a confinação da população nas suas casas para combater a propagação da Covid-19, segundo um balanço da AFP.

Mais de mil milhões de pessoas em mais de 50 países ou territórios estão esta segunda-feira confinadas nas suas casas por ordem das autoridades para combater a propagação da Covid-19, segundo um balanço avançado pela AFP.

Pelo menos 34 países ou territórios determinaram contenção obrigatória das suas populações, afetando mais de 659 milhões de pessoas em todo o mundo.

Estão nesta situação casos como a França, a Itália, a Argentina, o estado da Califórnia, nos Estados Unidos, o Iraque ou o Ruanda, além da Grécia, que entrou nesta lista às 04:00.

Também a Colômbia e a Nova Zelândia entrarão em confinamento obrigatório na terça e quarta-feira, respetivamente.

Na maior parte dos territórios, continua a ser possível sair à rua para trabalhar, comprar produtos básicos ou cuidar de si mesmo.

Em pelo menos quatro países (mais de 228 milhões de pessoas), incluindo o Irão, a Alemanha e o Reino Unido, as autoridades pediram às populações para ficarem em casa, limitando o mais possível as viagens e contactos, sem, no entanto, tornar essas recomendações como obrigatórias, refere a agência francesa de notícias.

No entanto, esses apelos têm um efeito limitado, especialmente no Reino Unido, onde o Governo se viu obrigado a ser mais assertivo depois de um fim de semana em que os parques e as praias estiveram cheios.

Pelo menos 10 países ou territórios (mais de 117 milhões de pessoas) adotaram recolher obrigatório, proibindo saídas noturnas de casa, como são os casos do Burkina Faso, do Chile, de Manila, nas Filipinas, da Sérvia ou da Mauritânia.

Na Arábia Saudita, o recolher obrigatório entra em vigor hoje à noite.

Finalmente, alguns países colocaram em quarentena as suas principais cidades, proibindo qualquer entrada ou saída.

É o caso das 27 maiores cidades da Bulgária, Almaty e Nur-Sultan, no Cazaquistão, e Baku, no Azerbaijão, onde se somam quase 10 milhões de habitantes.

O balanço da AFP não menciona a situação em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até, pelo menos, às 23:59 de 02 de abril.

Além disso, o Governo declarou também o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 324 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 14.300 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, com a Itália a ser o país do mundo com maior número de vítimas mortais, com 5.476 mortos em 59.138 casos. Segundo as autoridades italianas, 7.024 dos infetados já estão curados.

A China continental, onde a epidemia surgiu no final de dezembro, conta com um total de 81.054 casos, tendo sido registados 3.261 mortes.

Os países mais afetados a seguir à Itália e à China são a Espanha, com 1.720 mortos em 28.572 infeções, o Irão, com 1.685 mortes num total de 22.638 casos, a França, com 674 mortes (16.018 casos), e os Estados Unidos, com 390 mortes (31.057 casos).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Covid-19: Mais de mil milhões de pessoas confinadas em casa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião