Cerca de 80% dos doentes com Covid-19 vão ser seguidos em casa. Pico em Portugal previsto para 14 de abril

Será implementado um novo modelo de abordagem aos doentes com Covid-19 em Portugal, na próxima semana. A previsão do pico do surto passou de maio para meados de abril.

Será adotada uma nova abordagem e modelo de assistência ao doente com Covid-19, sendo que uma das medidas será tratar mais doentes no domicílio. A ministra da Saúde apontou ainda que a previsão do pico da curva epidemiológica se situe a 14 de abril, quando antes era em maio.

“Há um conjunto de doentes tratados no domicílio, e o que se pretende é agilizar e reforçar essa possibilidade”, referiu a ministra da Saúde, em conferência de imprensa transmitida pelas televisões. Marta Temido apontou que a nova abordagem deverá começar a ser aplicada na próxima semana.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, apontou também que um dos pilares da estratégia é “detetar precocemente casos positivos e tratar de acordo com condição clínica”, indicando que “cerca de 80% serão tratados em domicílio”. Depois é necessário encontrar contactos destas pessoas, para identificar mais possíveis casos.

Já quanto ao evoluir da situação, tendo em conta o número de casos que se tem registado em Portugal e os cálculos da evolução, a ministra da Saúde apontou que “se estima que a data prevista para a ocorrência do pico da curva epidemiológica se situe à volta do dia 14 de abril”. Antes, a DGS previa que o auge do surto fosse em meados de maio.

Há ainda um novo conjunto de orientações para lares, que referem que os doentes que sejam transferidos de unidades hospitalares para a rede nacional de cuidados continuados integrados ou lares “deverão ser previamente objetos de teste e ficar o mais isolados possível”, anunciou a ministra.

Para além disso, Marta Temido revelou uma nova orientação da DGS para a realização de testes pelos profissionais de saúde. Os profissionais de saúde serão agora um “grupo prioritário para a realização de testes”, nomeadamente para permitir o regresso ao trabalho após a despistagem.

(Notícia atualizada às 13h10)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cerca de 80% dos doentes com Covid-19 vão ser seguidos em casa. Pico em Portugal previsto para 14 de abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião