Mapfre e Generali reforçam quota no pequeno comércio em Espanha

  • ECO Seguros
  • 29 Março 2020

A Mapfre é a companhia líder e a única espanhola entre as cinco seguradoras com maior quota de mercado no segmento de estabelecimentos comerciais (retalho) em Espanha.

A Mapfre e a Generali são as únicas seguradoras a reforçar a respetiva participação de mercado, em março, crescendo 0,9 pontos percentuais cada uma face às posições que detinham em 2019, enquanto Axa, Allianz e Zurich recuam ligeiramente, revelam resultados de um inquérito de opinião produzido pela Simple Lógica.

O levantamento realizado entre 2 e 13 de março coloca a Mapfre em posição de liderança junto do pequeno comércio em Espanha, com 16,3% de mercado, seguindo a Axa (9,9%), Allianz (8,5%), Generali (5,4%, a subir igualmente 0,9 pontos) e a Zurich (4,3%).

Todas as restantes cederam terreno: a Axa, que vinha subindo desde 2016, perdeu 0,7 pontos no último ano. A Allianz era segunda em 2018, mas perdeu parte da sua parcela em 2019 e ja em 2020, sendo agora terceira, atrás da francesa Axa. No quarto lugar, a Generali subiu 0,9 pontos e assume 5,4% do mercado, em março, encontrando-se ainda aquém dos mais de 9% que detinha em 2016.

Igualmente, a Zurich cede quota desde 2018 e recuou 0,2 pontos face a 2019, enquanto a Segur Caixa (4,1%) recuperou 2,5 pontos e a Catalana Occidente consolidou a posição dos dois anos anteriores, mantendo 3,5% de quota. Ainda, a compor o ‘Top 10’, a Seguros Bilbao (3,1%) sobe, enquanto a Reale (2,3% de quota) recua face a 2019 e a Caser (2,2%) melhora ligeiramente a respetiva participação de mercado.

‘Top 10’: Evolução entre 2016 e 2020

Fonte : Simple Lógica, março 2020.

Diversamente do que mostra quadro em cima, que traduz a evolução das posições entre 2016 e 2020, Generali e Mapfre foram as únicas companhias a reforçar posições entre 2019 e março de 2020. No entanto, enquanto a Mapfre é a única espanhola entre as cinco seguradoras mais pontuadas em março deste ano, a variação em pontos – detalhada no quadro do ‘Top10’ – resulta das posições entre a primeira e a última consulta, explica a Simple Lógica.

Nesta e nas três edições anteriores do estudo (2016, 2018 e 2019), a Simple Lógica consultou os retalhistas para identificar as seguradoras com que contratam ‘seguros de comércio’. De acordo com a empresa de pesquisas, estas apólices incluem coberturas de responsabilidade civil, danos materiais, roubo, transportes, interrupção de atividade, avaria de maquinaria, reparações urgentes, assistência jurídica e outros.

A classificação obtida no relatório reflete a posição de cada companhia em termos do seguro contratado para a atividade, ou o ‘seguro principal’ nos casos em que os retalhistas têm mais de uma apólice para cobrir riscos do negócio.

Perto de metade dos estabelecimentos inquiridos, ou 47,5% afirmam estar satisfeitos com o seguro de atividade contratado e 34,7% afirmam estar muito satisfeitos.

O ‘Relatório de Opinião Pública’ indica ainda que os empresários do pequeno retalho assumem satisfação média de 7,8 com o seguro contratado (escala até máximo de 10 pontos), enquanto o nível de fidelização se situa nos 7,4. Ambos os indicadores estão ao nível mais baixo dos últimos quatro anos.

Para aferir a tendência posicional das seguradoras no intervalo dos últimos quatro anos, o relatório da Simple Lógica calcula a diferença de pontos obtidos entre a primeira (2016) e a última (2020) consulta ao mercado.

Com base nessas diferenças, o estudo classifica as seguradoras em três categorias de tendência: evolução positiva; constante e negativa. Assim, as primeiras (com ganho superior a 1%) compreendem Axa (+3,4), Mapfre (+2,9), Seguros Bilbao (+2,5) e Zurich (+1,2). No segundo grupo (com variação de +/-1%): Caser (+0,6) e Segur Caixa (-0,5).

Por fim, a terceira categoria – com perdas de quota superiores a 1% – integra cinco companhias: Reale (-3,3), Catalana Occidente (-3,3), Allianz (-3,5) e Generali (-4,0).

O estudo é circunscrito ao mercado espanhol e, na edição de março, teve por base uma amostra de 598 estabelecimentos de pequeno retalho, selecionados por método aleatório (lista telefónica). Ainda, de acordo com a ficha técnica do relatório, os dados foram recolhidos nas primeiras duas semanas de março através de entrevistas telefónicas e a produção do estudo complementada por ferramentas informáticas do serviço Omnibus – Simple Lógica.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mapfre e Generali reforçam quota no pequeno comércio em Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião