Bancos estão abertos? Veja aqui como está a funcionar cada um

Há bancos de portas aberta, outros encerraram alguns balcões, enquanto outros trabalham à porta fechada. Fique a par de como CGD, BCP, Santander, BPI, Novo Banco, Montepio e Crédito Agrícola atendem.

A pandemia obrigou os bancos a adaptarem o seu atendimento às atuais circunstâncias que aconselham a minimização dos contactos presenciais como forma de prevenção dos contágios. Enquanto umas instituições mantêm as portas abertas, outras preferem fechar as portas, condicionando o atendimento ao balcão com uma espécie de fila no exterior. Há ainda alterações de horários em alguns casos.

Transversal à generalidade das instituições é, contudo, o conselho para que os clientes apenas se dirijam aos balcões em circunstâncias de extrema necessidade. Incentivam que, em alternativa sejam usados os canais digitais que permitem fazer um conjunto vasto de operações bancárias do dia-a-dia.

Abaixo fique a par como estão a operar sete dos maiores bancos nacionais: CGD, BCP, Santander, BPI, Novo Banco, Banco Montepio e Crédito Agrícola.

CGD mantém portas abertas

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) mantém as agências abertas, apesar de prever o encerramento temporário de agências em áreas designadas como de risco pela Direção-Geral da Saúde (DGS). “Prevemos ainda o encerramento temporário de agências em áreas designadas como de risco pela DGS e a possibilidade de ter colaboradores a trabalhar à distância, em caso de necessidade”, diz a Caixa uma mensagem publicado no seu site.

Apesar de manter portas abertas, o banco de capitais público está, contudo, a aconselhar os seus clientes a recorrerem aos serviços online. Para facilitar esse processo a CGD está também a simplificar a adesão ao homebanking. Para os clientes acederam, pela primeira vez, ao serviço da Caixadirecta deixam de ter de se deslocar a um balcão presencial e passam a poder fazê-lo online a 100%.

O banco diz ainda ser possível realizar as suas operações habituais no serviço Caixadirecta, através do 21 790 07 90, número que está disponível 24h/dia. Em atendimento automático, através da seleção das opções de menu inicial, é possível consultar contas e cartões, efetuar operações, desde transferências a pagamentos vários, sem necessitar de falar com o assistente, esclarece a CGD.

BCP ajusta entrada de clientes. Pede para aguardarem no exterior

O BCP decidiu ajustar a entrada de clientes que precisem de ir às suas agências bancárias, apelando para que aguardem no exterior até que possam ser atendidos presencialmente, procurando minimizar riscos de contágio com Covid-19.

A entrada dos clientes nas sucursais é feita “em função do número de colaboradores disponíveis para, a cada momento, prestar atendimento”, explicou o banco num comunicado de 15 de março, recomendando ainda que os clientes se desloquem às sucursais “apenas em caso de absoluta necessidade”, e sublinhando que “devem privilegiar sempre” a utilização dos canais digitais, nomeadamente a app Millennium e o site www.millenniumbcp.pt.

Caso os clientes não tenham os códigos de acesso aos canais digitais, o banco lembra que poderão obtê-los de imediato no seu site ou numa caixa Multibanco (ATM).

Santander com acesso condicionado de clientes

Desde o dia 16 de março que o Santander está a funcionar com um regime de acesso condicionado aos seus balcões. O banco deu conta de que esta medida “traduz-se numa gestão de fluxos de entradas nos balcões, de modo a evitar aglomerações excessivas que possam implicar maiores riscos de contágio”.

A regra é dar acesso simultâneo a um número de clientes que seja equivalente ao número de colaboradores existente no interior do balcão. “Os clientes deverão assim, como já acontece com outro tipo de estabelecimentos, aguardar a sua vez em fila no exterior, guardando a distância social entre eles aconselhada pelas autoridades de saúde”, explicou através de um comunicado.

Tendo em conta a nova realidade, o Santander apelou ainda a que o acesso dos seus clientes aos balcões, “se absolutamente necessário”, se continue a processar como agora com a maior tranquilidade possível, devendo ser privilegiados para a generalidade das operações os meios digitais ao dispor de todos (Netbanco, App), evitando-se assim contactos e aglomerações de público desnecessários.

BPI “à porta fechada”. Atende em “absoluta necessidade”

O BPI decidiu que durante a crise da pandemia vai funcionar “à porta fechada”. É desta forma que a instituição financeira liderada por Pablo Forero está a trabalhar desde 16 de março, prevendo atender clientes “em caso de absoluta necessidade”, caso estes assinalem a sua presença.

No seu site, o banco também incentiva os clientes a privilegiarem o uso de canais digitais para realizar as operações bancárias do dia-a-dia através da BPI App e BPI Net. No site do banco é disponibilizado um formulário que deverá ser preenchido por quem não disponha e pretenda aderir aos respetivos canais digitais.

Novo Banco fecha à hora de almoço

O Novo Banco está desde 23 de março a encerrar os seus balcões à hora de almoço, por um período de três meses. As agências do banco vão estar fechadas entre as 12h00 e as 13h00, assegurando desta forma a abertura de toda a sua rede de 356 balcões e a operacionalidade de 1.116 ATM.

A instituição liderada por António Ramalho está a manter o acesso condicionado a quatro pessoas em simultâneo ao balcão sob a coordenação do gerente do balcão.

Montepio com um balcão aberto por concelho

O Banco Montepio optou por assegurar que haja um balcão aberto em cada concelho do país em que está presente, durante o Estado de Emergência decretado no país. E reforça que os “clientes devem, sempre que possível, privilegiar os canais à distância, onde é possível realizar a maior parte de todas as operações bancárias, com total segurança e comodidade”, refere uma nota publicada no seu site.

Para quem não prescinda de um atendimento presencial, no site do banco está disponível a lista dos balcões que estão disponíveis para estas circunstâncias.

Crédito Agrícola encerra parte dos balcões

O Crédito Agrícola recomenda aos seus clientes sempre que possível a utilização dos canais digitais como meio preferencial de contacto com as suas agências. Mas o plano de contingência da instituição liderada por Licínio Pina prevê a manutenção de alguns balcões em funcionamento, pedindo contudo que os clientes apenas lá se dirijam “apenas em caso de absoluta necessidade”.

No site do Crédito Agrícola é possível consultar a lista de balcões ao longo de todo o país que estão de portas abertas, bem como as alterações de horários previstas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos estão abertos? Veja aqui como está a funcionar cada um

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião