CGD simplifica homebanking. Adesão passa a ser 100% online

Esta é mais uma medida de adaptação do banco a um momento em que parte da população está em isolamento social e teletrabalho devido ao surto de Covid-19.

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) está a simplificar a adesão ao homebanking. Para os clientes acederam, pela primeira vez, ao serviço da Caixadirecta deixam de ter de se deslocar a um balcão presencial e passam a poder fazê-lo online. Esta é mais uma medida de adaptação do banco a um momento em que parte da população está em isolamento social e teletrabalho devido ao surto de Covid-19.

“Até agora, adesão ao serviço de homebanking da Caixa, Caixadirecta, só podia ser feita presencialmente numa agência. Agora, os clientes que queiram pedir a adesão necessitam apenas de um smartphone para um acesso 100% digital aos serviços bancários relevantes e até pedir um cartão bancário, eliminando mais uma necessidade de sair de casa”, anunciou a Caixa Geral de Depósitos em comunicado.

A adesão ao homebanking é feita através da app Caixadirecta sem necessidade de assinatura ou documentos em papel. O cliente passa a ter acesso à conta, transferências, pagamentos e solicitar um cartão de débito, que será recebido em casa por correio.

Para garantir a segurança, o banco público usa tecnologia de identificação e validação biométrica de alta segurança, através da captura da imagem do documento de identificação seguido da recolha da prova de vida através de um processo semelhante a uma “vídeo-selfie”.

“Esta solução enquadra-se no programa de transformação digital da Caixa e visa responder às necessidade do atual contexto Covid-19”, refere o banco liderado por Paulo Macedo. Apesar de ter, atualmente, mais de 500 agências abertas em Portugal continental e Regiões Autónomas, a Caixa recomenda aos clientes o uso de canais digitais.

(Notícia atualizada às 12h00)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD simplifica homebanking. Adesão passa a ser 100% online

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião