Clientes da CGD e BCP passam a pagar carregamentos no Revolut

  • ECO
  • 3 Fevereiro 2020

Tanto a CGD como o BCP cobram o carregamento de cartões pré-pagos a partir de um cartão de crédito, o que tem impacto para os clientes que usem serviços bancários digitais.

Os clientes da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e do Millennium BCP vão ter de pagar pelo carregamento de cartões pré-pagos e carteiras digitais. Este novo custo abrange aplica-se a serviços bancários digitais, como é o caso do Revolut, sendo que estas novas comissões incluem uma parte fixa e uma componente que varia em função do montante envolvido, avançou o Público (acesso condicionado).

Por cada transação, a comissão a pagar por clientes particulares e empresariais da CGD corresponde a 4,5% do total (da parte variável), acrescido de 3,75 euros (da componente fixa da comissão), segundo a última atualização do preçário que está em vigor desde 25 de janeiro, consultado pelo Público.

Assim, as contas da Pplware (que avançou inicialmente a notícia) indicam que uma transferência de cem euros a partir de cartões de crédito da CGD passa a custar 8,25 euros (excluindo os 4% de imposto de selo), caso o valor seja de 500 euros a CGD cobra 22,5 euros. Todavia, com cartão de débito não é cobrada qualquer comissão.

Além da Caixa, também o BCP inclui no seu preçário uma comissão pelo carregamento de cartões pré-pago, com o valor de 4,00 euros fixos, mais 0,5% do montante da transação. Neste caso, são abrangido cartões de crédito da instituição bancária desde 10 de dezembro. Transferir 100 euros custa nestas condições 4,50 euros, metade do valor do banco público, segundo apurou o jornal.

Contactada pelo Público, fonte oficial da Revolut em Portugal explica que existem “múltiplas formas de carregamento” dos cartões, nomeadamente cartões de débito, cartões de crédito ou transferência bancária pelo que aconselha os utilizadores a “informarem-se junto dos seus bancos sobre eventuais taxas aplicadas”.

(Notícia corrigida às 11h30, após esclarecimento do BCP de que os cartões de débito e outros pré-pagos do banco não são abrangidos por esta comissão)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Clientes da CGD e BCP passam a pagar carregamentos no Revolut

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião