“Bancos aproveitam-se da iliteracia financeira das pessoas”, afirma presidente da Revolut

  • ECO
  • 19 Novembro 2019

O presidente da Revolut diz que "os bancos aproveitam-se da iliteracia financeira da maioria das pessoas". "Os bancos levam-vos o couro e o cabelo", alerta.

O presidente e cofundador da Revolut considera que os preços que os bancos cobram pelos serviços que prestam “não são justos” e que estes se aproveitam da “iliteracia financeira da maioria das pessoas”. Quanto ao aumento das comissões por parte das instituições bancárias, Nikolay Storonsky justifica-o pela necessidade que os “bancos têm de proteger as suas fontes de receita”.

Os bancos levam-vos o couro e o cabelo” começa por dizer Nikolay Storonsk, em entrevista ao Observador (acesso pago). Segundo o presidente, se cada pessoa analisasse “todas as transações que faz, os custos e comissões associadas” ficaria em choque. “Os bancos aproveitam-se da iliteracia financeira da maioria das pessoas. Os preços que cobram não são justos pelos serviços que prestam, na minha opinião“, atira.

Quanto às comissões cobradas pelas instituições bancárias tradicionais, Nikolay Storonsk defende que os gestores “só se importam com manter as fontes de receita” e, uma vez que as taxas de juro são cada vez mais baixas, os bancos estão a perder dinheiro e “têm de ir buscar dinheiro a algum lado”, assinala.

Na sua perspetiva, os bancos não vão conseguir competir com Revolut já que fintech britânica tem menos trabalhadores e uma tecnologia mais moderna. “Somos muito mais eficientes e por isso é que quando eles aumentam as comissões nós ainda estamos em melhor posição para os bater ao nível do preço. Eles não conseguem competir”, sublinha.

Com cerca de nove milhões de utilizadores, a Revolut prepara-se para lançar o seu primeiro cartão de crédito em dezembro em alguns mercados e que será posteriormente alargado por toda a Europa. Em Portugal, o plano passa por tentar fazer um acordo com a rede de terminais de Multibanco, da SIBS. Relativamente a essa matéria, o presidente admite que será difícil, mas que “encontraremos uma maneira”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Bancos aproveitam-se da iliteracia financeira das pessoas”, afirma presidente da Revolut

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião