“Exige-se um investimento sem precedentes”. Centeno, Lagarde, Von der Leyen e Michel unidos contra o vírus

Os presidentes das principais instituições da União Europeia reuniram-se para preparem a resposta ao impacto económico da pandemia. "É a altura de pensar fora da caixa", dizem em comunicado.

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, reuniram-se esta terça-feira para começar a preparar a resposta ao impacto económico da pandemia, tal como mandatado pelos líderes europeus na semana passada.

Em videoconferência, os presidentes das principais instituições da União Europeia tomaram conhecimento das consequências económicas e sociais da crise do novo coronavírus e discutiram quais serão os próximos passos, segundo o comunicado divulgado ao final da tarde pelo Conselho Europeu, órgão que junta os chefes de Estado dos 27 países da UE.

Na passada quinta-feira, os líderes dos Estados-membros concordaram que é preciso um plano de recuperação da economia europeia após a resolução do problema de saúde pública e encarregaram a Comissão Europeia de elaborar um itinerário acompanhado de um plano de ação, o qual deverá ser apresentado em breve.

“Nós estamos a explorar diferentes caminhos para responder às consequências sociais e económicas da pandemia. A única via possível é uma estratégia comum no espírito da solidariedade”, afirma Charles Michel, argumentando que esta “é a altura de pensar fora da caixa” e de usar todas as “alavancas disponíveis, seja a nível nacional como a nível europeu”.

“Exige-se uma estratégia coordenada de saída [da pandemia], um plano abrangente de recuperação e um investimento sem precedentes“, refere o comunicado, garantindo que “qualquer opção compatível com o Tratado da União Europeia deve ser considerada“. Sem dar grandes pormenores sobre o que foi discutido, o texto refere que o orçamento da União Europeia dos próximos anos, sobre o qual ainda não há acordo entre os países, terá de se “adaptar” a esta crise.

Tanto o presidente do Conselho Europeu como a presidente da Comissão Europeia, o braço executivo da UE, vão continuar a trabalhar em conjunto no plano de recuperação — que poderá vir a chamar-se “Plano Von der Leyen”, como já disse António Costa –, consultando outras instituições, “particularmente o BCE”.

O Conselho Europeu também mandatou o Eurogrupo — que reúne-se na próxima terça-feira, dia 7 de abril — para apresentar propostas na próximas duas semanas sobre a forma como os Estados poderão vir a utilizar a linha de crédito com condições reforçadas do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE).

"Exige-se uma estratégia coordenada de saída [da pandemia], um plano abrangente de recuperação e um investimento sem precedentes.”

Charles Michel

Esta terça-feira o presidente do MEE, Klaus Regling, afirmou em entrevista ao Financial Times que as condições de acesso a essa dinheiro não serão duras como na última crise dado que esta tem uma natureza diferente. O objetivo principal das condições será garantir que o dinheiro é gasto nas despesas com saúde e nas medidas que contrariem o impacto económico da crise.

A falta de consenso continua a pairar sobre as polémicas coronabonds ou eurobonds, título de dívida com partilha de risco entre os países, por causa da oposição de alguns países, onde se destaca a Holanda. O ministro das Finanças holandês, Wopke Hoekstra, já admitiu que mostrou pouca “compaixão”, após ter pedido que Espanha fosse investigada por não ter capacidade orçamental para fazer face à pandemia. Contudo, não é expectável que o Governo holandês mude de opinião nem que esta solução seja célere dado que, segundo Regling, pode demorar entre um a três anos até estar operacional.

Na conferência de imprensa da última reunião do Eurogrupo, Centeno garantiu que “nenhuma solução possível foi excluída” quando questionado sobre as coronabonds. A emissão de obrigações comunitárias é defendida pela maioria dos Estados-membros, incluindo Portugal, França, Espanha e Itália, e é vista com bons olhos tanto pela OCDE como pelo BCE, por exemplo. A Comissão Europeia disse que essa solução continua em cima da mesa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Exige-se um investimento sem precedentes”. Centeno, Lagarde, Von der Leyen e Michel unidos contra o vírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião