Prazo para pedir apoio financeiro para cuidar dos filhos termina a 9 de abril

O formulário para pedir o apoio excecional à família já está disponível na Segurança Social Direta. O prazo termina a 9 de abril. O apoio varia se é trabalhador por conta de outrem ou independente.

Os formulários de acesso ao “apoio excecional” lançado pelo Governo para os pais que, face ao encerramento de todas as escolas, tenham de faltar ao trabalho para ficar com os filhos em casa foram disponibilizados esta segunda-feira na Segurança Social Direta. Numa nota publicada nesse site, adianta-se ainda que o pedido só pode ser feito até 9 de abril.

Na mensagem em que informa que os formulários já estão disponíveis, a Segurança Social refere que o apoio pode ser pedido entre as seguintes datas: “o período para requerer este apoio é de 30 de março a 9 de abril”.

Os pais nestas circunstâncias têm acesso a um regime de faltas justificadas, mas também a um apoio extra que lhes garante uma parte do salário mesmo quando tenham de ficar em casa a acompanhar os filhos até 12 anos (ou maiores em casos de deficiência ou doença crónica). Tal abrange não só os trabalhadores por conta de outrem como os trabalhadores independentes, embora haja diferenças entre os apoios previstos para estes casos.

Trabalhadores por conta de outrem

No caso dos trabalhadores por conta de outrem, o apoio financeiro excecional para os pais que tenham de ficar em casa a acompanhar os filhos menores de 12 anos é de 66% da remuneração base (ou seja, exclui suplementos e subsídio de refeição). Tem um valor mínimo de 635 euros e máximo de 1.905 euros (três vezes o salário mínimo nacional), tendo o trabalhador de descontar ainda 11% para a Segurança Social.

É o empregador quem tem de pedir este apoio à Segurança Social, sendo pago em metade pelo Estado e em metade pelo patrão. Tem direito a esta prestação quem esteve em casa a cuidar dos filhos menores de 12 anos, de 16 de março até 29 de março, sendo que é provável que o Governo retome este apoio após as férias, e enquanto se prolongar o estado de emergência. De notar que a prestação não é paga durante as férias da Páscoa, a não ser no caso dos pais com filhos em creches.

“No caso de crianças que frequentem equipamentos sociais de apoio à primeira infância ou deficiência/doença crónica, o apoio é atribuído até 13 de abril”, explica a Segurança Social.

Para submeter o formulário, a empresa terá de de aceder à Segurança Social Direta (www.seg-social.pt), clicar no menu Emprego, escolher a opção Medidas de Apoio (COVID-19), e selecionar a opção Apoio excecional à família para trabalhadores por conta de outrem (caso se trate de uma entidade empregadora).

Deverá aparecer um formulário igual a este:

Antes, o trabalhador já deve ainda preencher a declaração Mod. GF88-DGSS (disponível aqui) e remetido à respetiva entidade empregadora. A declaração também serve para justificação de faltas ao trabalho.

Já o empregador deve, pois:

  • Recolher as declarações remetidas pelos trabalhadores.
  • Proceder ao preenchimento do formulário online.
  • Entregar a declaração de remunerações autónoma com o valor total do apoio pago ao trabalhador.
  • E, finalmente, deve registar o IBAN na Segurança Social Direta (uma vez que a parte do apoio assegurada pela Segurança Social é paga ao empregador, que deve assegurar os dois terços do salário por inteiro diretamente ao trabalhador).

Trabalhadores independentes

No caso dos trabalhadores independentes, o apoio financeiro excecional é mais baixo (e inteiramente pago pela Segurança Social). O trabalhador independente tem direito a um apoio financeiro correspondente a um terço da base de incidência contributiva mensualizada do primeiro trimestre de 2020, com os seguintes limites:

  • Limite mínimo igual ao valor do Indexante dos Apoios Sociais (438,81 euros).
  • Limite máximo igual a duas vezes e meia o valor do Indexante dos Apoios Sociais (1.097,02 euros).

Já o trabalhador do serviço doméstico tem direito a um apoio financeiro correspondente a dois terços da base de incidência contributiva.

Para submeter o formulário aceda à Segurança Social Direta (www.seg-social.pt), clique no menu Emprego, escolha a opção Medidas de Apoio (COVID-19), e selecione a opção Apoio excecional à família para Trabalhadores Independentes e Serviço Doméstico.

Deverá ainda registar o IBAN na Segurança Social Direta, para que a Segurança Social possa proceder ao pagamento do apoio, que será feito obrigatoriamente por transferência bancária.

No site deverá aparecer um formulário igual a este:

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prazo para pedir apoio financeiro para cuidar dos filhos termina a 9 de abril

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião