Pais em casa? Apoio pode voltar depois da Páscoa se fecho das escolas for prolongado

Costa admite prolongar "muito além das férias da Páscoa" o encerramento das escolas, referindo que, se assim for, o apoio aos pais voltará a estar disponível depois dessa interrupção.

Face à pandemia de coronavírus, o Governo avançou com o encerramento de todas as escolas, deixando milhares de crianças em casa e consequentemente milhares de pais sem poderem ir trabalhar. A esses últimos, o Executivo garantiu o pagamento de dois terços do salário, mas só até às férias da Páscoa. Esta terça-feira, e em resposta à deputada Catarina Martins, o primeiro-ministro adiantou que é “provável” que o fecho destes estabelecimentos se prolongue além desse período de interrupção, voltando então os pais a terem direito ao apoio que fica suspenso durante a Páscoa.

No debate quinzenal desta terça-feira, a bloquista Catarina Martins perguntou o Governo se admitia prolongar o apoio aos pais que tenham de ficar em casa com os filhos até 12 anos para o período das férias da Páscoa, uma vez que o decreto-lei publicado deixa claro que o pagamento só é assegurado entre apenas de 16 de março a 27 de março.

Em resposta, António Costa esclareceu que o apoio se manterá, pelo menos, até 9 de abril, no caso dos pais com crianças que frequentem creches, já que esses estabelecimentos iriam continuar a funcionar mesmo durante as férias, o que já não acontecerá face ao surto de coronavírus. “Mas não vamos manter [o apoio] relativamente à situação que era previsível“, atirou o primeiro-ministro referindo-se às férias escolares marcada para o período de 27 a 13 de abril.

“Temos de ter em conta que, provavelmente, no dia 9 de abril a decisão que estaremos a tomar é prolongar essa situação e esta medida [o apoio aos pais] muito além das férias da Páscoa“, acrescentou o chefe de Executivo. Ou seja, durante as férias o apoio será suspenso, mas se o fecho das escolas for prolongado, esse pagamento de dois terços do salário voltará a ser assegurado pela Segurança Social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pais em casa? Apoio pode voltar depois da Páscoa se fecho das escolas for prolongado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião