Há 900 escolas abertas, mas estão “praticamente vazias”. Enfermeiros dizem que “têm medo” de deixarem lá os filhos

Quase 900 escolas estão abertas para acolher os filhos dos médicos, enfermeiros, bombeiros e polícias, mas poucos têm sido os alunos acolhidos por esses estabelecimentos. "São nichos de risco".

Ainda que todas as atividades letivas presenciais estejam suspensas, há centenas de escolas abertas para acolher os filhos dos trabalhadores de serviços essenciais e assegurar refeições aos alunos mais carenciados. De norte a sul do país, poucos são, contudo, os alunos que estão a frequentar esses estabelecimentos, alerta a Federação Nacional dos Professores (Fenprof). A Ordem dos Enfermeiros adianta que os profissionais “têm medo” de deixarem os seus filhos nessas escolas face ao risco de contágio por Covid-19.

Face à propagação de coronavírus em Portugal, o Executivo de António Costa decidiu contrariar a recomendação do Conselho Nacional de Saúde Pública e avançar com o encerramento de todas as atividades letivas, em todos os graus de ensino, entre 16 de março e 13 de abril.

Ainda assim, foi determinado que, em cada agrupamento de escolas, deveria ser identificado um estabelecimento de ensino para acolher os filhos ou outros dependentes a cargos dos profissionais de saúde, das forças e serviços de segurança e socorro, das forças armadas, dos trabalhadores dos serviços públicos essenciais, bem como dos trabalhadores da gestão e manutenção das infraestruturas essenciais. Essas escolas têm também como função assegurar a prestação de refeições aos alunos mais carenciados, isto é, os alunos beneficiários do escalão A da ação social.

De acordo com as listas divulgadas pela Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares, há neste momento quase 900 escolas abertas para os fins referidos, mas segundo a Fenprof estão praticamente vazias. Já a Ordem dos Enfermeiros acrescenta que os profissionais “têm medo” de deixarem os filhos nesses estabelecimentos face ao risco de contágio por Covid-19.

“Os trabalhadores de serviços essenciais não aderiram à iniciativa do Governo e não colocaram os seus filhos nas chamadas escolas de acolhimento“, frisa o sindicato liderado por Mário Nogueira, referindo que “praticamente nenhum aluno” está a frequentar esses estabelecimentos.

A Fenprof explica que esses espaços são, neste momento, “verdadeiros nichos de risco acrescido“, já que estas crianças pertencem a famílias com grande risco de contágio. “Num momento em que se apela aos portugueses que não saiam de casa, que evitem o contacto social, que se evitem os grupos de pessoas e que se encerraram as escolas, por poderem ser foco de contágio, as famílias de trabalhadores de serviços essenciais, como se esperava, não quiseram que os seus filhos corressem ainda mais riscos”, considera o sindicato, referindo que a resposta a estas crianças deve ser dada fora da escola.

Segundo os dados recolhidos pela Fenprof, apenas 20 alunos em todo o país estão a ser acolhidos por estas escolas, havendo centenas de estabelecimentos abertos, mas vazios. “Nos contactos efetuados com as escolas ficou também a saber-se que mesmo em relação ao serviço de refeições, disponibilizados para os alunos mais carenciados, a esmagadora maioria deles não compareceu nas escolas“, acrescenta o sindicato.

Esta quinta-feira, a Ordem dos Enfermeiros vem salientar, por sua vez, que está “perplexa” com a opção tomada pelo Governo para os filhos dos profissionais em causa, que dizem “ter medo” de deixarem os seus dependentes nestas escolas. “Desde a publicação do despacho, há apenas três dias, a Ordem dos Enfermeiros recebeu centenas de mails que relatam uma situação de medo, preocupação e injustiça entre os profissionais de saúde“, explica a organização liderada por Ana Rita Cavaco.

“A Ordem dos Enfermeiros não pode deixar de manifestar a sua discordância com esta situação, alertando para uma questão que coloca em risco os filhos dos profissionais de saúde e, por conseguinte, os próprios profissionais, numa altura em que estes se encontram na linha da frente”.

A organização denuncia ainda que os estabelecimentos em causa não estão equipados com materiais de proteção e dispõem de horários que não são compatíveis com os próprios turnos dos profissionais. Espera, por isso, que sejam tomadas “medidas alternativas” para proteger os filhos dos profissionais em causa, “pondo um ponto final no clima de medo e insegurança, de todo dispensável nesta altura”.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Há 900 escolas abertas, mas estão “praticamente vazias”. Enfermeiros dizem que “têm medo” de deixarem lá os filhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião