Escolas só devem encerrar “por determinação das autoridades de saúde”

A Direção-Geral de Saúde (DGS) confirmou que, às 10h desta quarta-feira, eram 59 os casos de coronavírus no país e que as escolas só devem encerrar por ordem "das autoridades de saúde".

O Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP) decidiu, ao fim de uma reunião de cinco horas, que as escolas só devem encerrar por ordem das autoridades de saúde e que se devem reforçar as medidas de contenção. Uma decisão assente no alastrar do número de casos de Covid-19 em Portugal.

A Direção-Geral de Saúde (DGS) confirmou que, às 10h da manhã desta quarta-feira, contabilizavam-se 59 casos confirmados de coronavírus no país. Havia ainda 471 casos suspeitos, dos quais 83 aguardavam resultados, estando 3.066 pessoas sob vigilância. No entanto, há já mais casos confirmados, mas essa atualização só será dada oficialmente esta quinta-feira, sendo a partir de agora essa a regra de divulgação dos novos casos (só uma vez por dia).

A maioria dos casos estão na zona norte, mantendo-se as seis cadeias de transmissão ativas, anunciou a ministra da Saúde, em conferência de imprensa, transmitida pelas televisões. Aos 59 casos que foram revelados pela DGS, somam-se outros três que foram confirmados durante o dia, mas que serão anunciados oficialmente esta quinta-feira.

Neste sentido, o CNSP decidiu que “devem ser reforçadas as medidas de contenção e os meios para a sua implementação”, anunciou Jorge Torgal, membro do CNSP.

Além disso, ficou estipulado que “não se justifica o encerramento de museus, a não ser por determinação das autoridades de saúde, devendo haver um limite ao número de visitantes” e que “o encerramento total ou parcial de escolas, de qualquer nível de ensino, só deve acontecer por determinação expressa das autoridades de saúde”.

Por sua vez, a diretora geral da Saúde referiu que o encerramento das escolas será “avaliado caso a caso”. “Não podemos estar antecipadamente a criar medidas desproporcionadas”, disse, referindo que, “nesta fase, com esta realidade, o que o CNSP considera é o que faz sentido”. António Costa remeteu a decisão de se encerrar, ou não, todas as escolas do país, para quinta-feira, na reunião de Conselho de Ministros.

Sobre as escolas e universidades que decidiram, por vontade própria, fechar portas, Graça Freitas comentou que estas “não deviam ter fechado sem ter falado com as autoridades de saúde”. “Se fecharam, teriam de ter dito aos alunos para que ficassem em casa em isolamento profilático voluntário”.

Esta quarta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o coronavírus como uma pandemia, depois de terem sido contabilizados mais de 126.000 infetados em 114 países. Graça Freitas sublinhou que os casos vão aumentar todos os dias, como tem acontecido nos restantes países.

Por sua vez, a ministra da Saúde apelou a todos os portugueses para “perceberem a gravidade da situação”. “Temos de ser especialmente responsáveis. Aquilo que é recomendado é que as pessoas fiquem em isolamento”, disse Marta Temido, referindo que “o facto de haver estabelecimentos de ensino encerrados não significa férias escolares”.

(Notícia atualizada às 22h33 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escolas só devem encerrar “por determinação das autoridades de saúde”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião