Coronavírus ainda não tirou passageiros à Carris, garante Medina. Mas obriga a aumentar limpeza dos autocarros

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa admitiu que o impacto do coronavírus no setor do turismo na capital, "é inevitável".

Os números de infeção pelo novo coronavírus não param de aumentar em Portugal, mas em Lisboa os transportes públicos continuam a ser utilizados como habitualmente, sem registo de uma redução significativa das centenas de milhares de pessoas que diariamente se deslocam pela cidade nos autocarros da Carris. Pelo menos é essa a garantia dada pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

O autarca não avançou ainda qualquer estimativa de prejuízos para a Carris, nem para a cidade, na sequência da suspensão de todos os eventos culturais, desportivos, e outros, de grande dimensão, pelo menos até 3 de abril. Além disso, foi já decretado o encerramento de teatros, bibliotecas, piscinas e pavilhões desportivos, entre outros equipamentos municipais.

Quanto ao impacto no setor do turismo na capital, Medina diz que “é inevitável”. “Esse é o outro lado de ter de lidar com esta situação, a preocupação com o setor do turismo. A Câmara mantém-se atenta, e apoiaremos todas as medidas que o Governo está a tomar relativamente aos agentes do setor turístico”, acrescentou.

E garantiu: “Neste momento, a Carris não tem registada uma quebra relativamente ao número de utilizadores. O que estamos a fazer é tomar medidas para que haja confiança das pessoas relativamente à utilização dos transportes públicos na cidade de Lisboa, porque é vital para a vida das pessoas e para a gestão da cidade. São medidas de natureza preventiva”, garantiu Medina aos jornalistas na cerimónia de lançamento da primeira carreira da Carris com autocarros elétricos.

A informação foi ainda confirmada ao ECO pelo presidente do Conselho de Administração da Carris, Tiago Farias, que garantiu que a monitorização feita regularmente pela empresa ao número de passageiros transportados não registou qualquer queda abrupta nas últimas semanas, mas acabou por admitir a possibilidade de quebra de passageiros no caso de o “universo escolar encerrar”. Antes disso, fonte oficial da Carris tinha dito também ao ECO que “quanto a alteração de número de passageiros, é ainda prematuro fazer essa avaliação”.

Sobre as medidas preventivas já em vigor, Medina revelou que foram alterados os protocolos de limpeza dos autocarros, que passaram a ser “limpos diariamente com reagentes próprio, mais na base do álcool, com particular relevância para todas as superfícies de contacto”. Foi também alterado o protocolo de circulação: ou seja, qualquer autocarro onde haja suspeita de casos do coronavírus deve regressar à base para ser limpo e só depois voltará à circulação.

“Com este conjunto de medidas podemos assegurar a tranquilidade daqueles que utilizam o sistema de transporte coletivo neste momento sensível. A Carris está fazer um trabalho para que as pessoas possam continuar a confiar nos transportes públicos. Em primeiro lugar foi feita uma alteração dos métodos de limpeza dos autocarros. Todas as noites são limpos de forma específica e adequada, de acordo com as recomendações para evitar fontes de contágio. Foram feitas já as devidas alterações aos contratos, estão ser utilizados os reagentes considerados adequados para que todas as manhãs os autocarros entrem ao serviço em condições próprias para quem os utiliza“, disse Medina, deixando “uma mensagem de tranquilidade a todos aqueles que são a razão de ser da Carris, todos aqueles que utilizam os transportes públicos na cidade num momento sensível da nossa vida coletiva em que a perturbação desta dinâmica de propagação do vírus está a causar”.

No plano de contingência da Carris constam medidas ao nível da limpeza reforçada dos veículos, com especial atenção às superfícies mais tocadas como os corrimãos das portas, as pegas do interior, o contorno superior dos bancos e o contorno do habitáculo do tripulante, e a desinfeção em situações de caso suspeito a bordo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Coronavírus ainda não tirou passageiros à Carris, garante Medina. Mas obriga a aumentar limpeza dos autocarros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião