Há 62 casos de Covid-19 em Portugal

O número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus em Portugal continua a aumentar. Já são 59 os casos confirmados oficialmente, mas o número real deverá ser de, pelo menos, 62.

O número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus em Portugal subiu de 41 para 59, revelou a Direção-Geral da Saúde (DGS) na última atualização do boletim epidemiológico. Dados referem-se às 00h00 desta quarta-feira. Entretanto, com os dois casos descobertos no Hospital de Santa Maria, e um pelo Centro hospitalar de Coimbra, o número deverá ser de, pelo menos, 62 casos.

Com base nos números oficiais, são assim 18 novas pessoas que estão contagiadas pelo novo coronavírus, face ao número avançado no anterior balanço divulgado pela DGS. Para além do total de casos confirmados, o relatório da DGS aponta para 471 casos suspeitos, enquanto 83 pessoas aguardam resultados de análises. São ainda mais de 3.000 os contactos que se encontram em vigilância. Mais especificamente, 3.066 pessoas. Não há registo de mortes associadas à doença Covid-19.

Em termos de cadeias de transmissão, mantêm-se os mesmos números. São seis as cadeias de transmissão ativas, sendo que há o registo de dois casos importados de Espanha, nove de Itália e um, que ainda está em investigação, mas que poderá ter tido origem na Alemanha ou na Áustria.

Do ponto de vista geográfico, a maioria dos casos confirmados (36) mantêm-se a norte do país, seguido da Região de Lisboa e Vale do Tejo (17), existindo ainda três situações no centro do país, e o mesmo número no Algarve.

Número de casos confirmados

Já em termos demográficos, a maioria dos casos — 16 — são pessoas com idade entre os 40 e os 49 anos. Há registo de onze casos entre os 10 e os 19, de quatro casos entre os 20 e os 29, de nove casos entre os 30 e os 39, de cinco casos entre 50 e 59, de seis casos entre os 60 e 69 anos, de cinco entre os 70 e os 79 anos, e dois em pessoas com mais de 80 anos de idade. A maioria dos casos continua a ser de homens, com 33 situações de contágio confirmadas, enquanto há 26 mulheres contagiadas.

Na manhã desta quarta-feira, a Ministra da Saúde já tinha avançado aos deputados da Comissão de Saúde que já existiria a confirmação de mais contágios face ao anterior balanço de 41 divulgado na terça-feira. “Ontem de manhã eram 41 os casos confirmados e tivemos mais casos confirmados“, afirmou.

“É inevitável que entremos na fase de mitigação dentro de horas, ou dias”, assumiu ainda Marta Temido, esclarecendo que a “dinâmica da situação epidemiológica está a ser muito rápida”. Esta fase de mitigação é a mais grave antes da recuperação. Na mitigação tenderá a assistir-se a um aumento do número de infetados.

(Notícia atualizada às 14h08)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 62 casos de Covid-19 em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião