Airbnb muda políticas de reserva devido ao coronavírus. Deixa de cobrar taxas de cancelamento

A plataforma de reserva de alojamento Airbnb tornou mais flexíveis as políticas para facilitar os cancelamentos, numa altura em que as viagens são afetadas pelo surto do novo coronavírus.

Com o surto do novo coronavírus a ter um grande impacto no turismo e nas viagens, o Airbnb decidiu tornar mais flexíveis as políticas de reserva. A plataforma de reserva de alojamento introduziu alterações às taxas de cancelamento, tanto para os anfitriões como para as pessoas que alugam as casas, que estarão em vigor até 1 de junho.

Para os hóspedes que quiserem cancelar uma reserva na plataforma, a taxa de cancelamento será reembolsada, adianta o The Verge (acesso livre, conteúdo em inglês). Os clientes irão receber um cupão com o valor que teriam de pagar para usar no futuro no Airbnb.

A plataforma alargou também os critérios para os hóspedes serem elegíveis para o cancelamento por “circunstâncias atenuantes”, que prevê um reembolso total. Cobre agora certos locais que foram severamente impactados pelo novo coronavírus, através de critérios estabelecidos por Governos e autoridades de saúde.

Já para os anfitriões que decidirem reembolsar os clientes num valor superior àquele definido pela Airbnb, a plataforma não irá retirar a taxa de 3% como costuma fazer. Cada anfitrião pode continuar a definir as suas políticas de cancelamento, sendo que o Airbnb vai aumentar a visibilidade daqueles que utilizam as ferramentas mais flexíveis.

“Embora seja claro que o coronavírus terá um impacto na indústria de viagens e turismo, acreditamos que o setor recupere a longo prazo“, sinaliza o Airbnb, na página onde apresenta as novas políticas. “É uma das maiores e mais resistentes industrias do mundo”, acrescenta a plataforma.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Airbnb muda políticas de reserva devido ao coronavírus. Deixa de cobrar taxas de cancelamento

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião