Coronavírus já matou 4.251 pessoas no mundo. Infetou mais de 117 mil

  • Lusa
  • 10 Março 2020

Até às 17h desta terça-feira, o número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus em todo o mundo aumentou para 117.339, das quais morreram 4.251. Portugal conta 41 casos confirmados.

O número de pessoas infetadas pelo novo coronavírus em todo o mundo aumentou para 117.339, das quais morreram 4.251, segundo um balanço feito pela agência de notícias France Presse (AFP), com dados atualizados às 17h00 desta terça-feira.

Citando fontes oficiais, a AFP diz que, desde que o surto de coronavírus eclodiu em dezembro de 2019 na China, foram registadas 4.084 novas contaminações e 287 novas mortes em 107 países e territórios desde o balanço efetuado às 17h00 desta segunda-feira.

A China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) teve 80.754 casos, incluindo 3.136 mortes. Entre as 17h00 de segunda-feira e as 17h00 de hoje foram anunciadas 19 novas infeções e 17 novas mortes no país. Em outras partes do mundo, foram registados 36.585 casos (4.065 novos casos) até às 17h00 de hoje, incluindo 1.115 mortes (270 novas).

Os países mais afetados depois da China são a Itália, com 10.149 casos (977 novos) e 631 mortes; o Irão, com 8.042 casos (881 novos) e 291 mortes; a Coreia do Sul, com 7.513 casos (131 novos) e 54 mortes e a Espanha, com 1.622 casos (623 novos) e 35 óbitos. Desde as 17h00 de segunda-feira, a China, Itália, o Irão, a Coreia do Sul, Espanha, os Estados Unidos, França, Reino Unido, Países Baixos, Suíça, Marrocos, Líbano e Canadá registaram novas mortes.

O Burkina Faso, o Panamá, a República Democrática do Congo, a Mongólia e Chipre do Norte (república turca autoproclamada e não reconhecida pela comunidade internacional) anunciaram hoje os primeiros casos. A Ásia registou até às 17h00 de hoje 90.134 casos (3.208 mortes), a Europa 17.670 casos (711 mortes), o Médio Oriente 8.541 casos (299 mortes), Estados Unidos e Canadá 679 casos (27 mortes), Oceânia 112 casos (três mortes), América Latina e Caraíbas 103 casos (uma morte) e África 100 casos (duas mortes).

Este balanço da AFP foi elaborado com dados recolhidos junto das autoridades nacionais competentes e informações da Organização Mundial da Saúde (OMS). Mais de 117 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países e mais de 63 mil recuperaram.

Portugal regista 41 casos confirmados de infeção, segundo a DGS. A DGS comunicou também que em Portugal se atingiu um total de 375 casos suspeitos desde o início da epidemia, 83 dos quais ainda a aguardar resultados laboratoriais.

Face ao aumento de casos, o Governo ordenou a suspensão temporária de visitas em hospitais, lares e estabelecimentos prisionais na região Norte, até agora a mais afetada. Foram também encerrados alguns estabelecimentos de ensino, sobretudo no Norte do País, assim como ginásios, bibliotecas, piscinas e cinemas. Os residentes nos concelhos de Felgueiras e Lousada, no Porto, foram aconselhados a evitar deslocações desnecessárias.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Coronavírus já matou 4.251 pessoas no mundo. Infetou mais de 117 mil

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião