Roma disponibiliza 25 mil milhões de euros para combater coronavírus

  • Lusa
  • 11 Março 2020

Do montante disponibilizado pelo Governo italiano, cerca de metade será mobilizada para emergências, sendo a outra metade utilizada para possíveis necessidades futuras do país.

O Governo italiano vai disponibilizar 25 mil milhões de euros para combater a epidemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19), que já deixou mais de 600 mortos no país, foi esta quarta-feira anunciado.

Desse montante, aproximadamente metade será mobilizada para emergências, sendo a outra metade utilizada para possíveis necessidades futuras do país. “Disponibilizamos recursos extraordinários no valor de 25 mil milhões de euros”, disse o chefe do Governo, Giuseppe Conte, citado pelas agências italianas.

O Ministro da Economia e Finanças, Roberto Gualtieri, que participou na conferência de imprensa após um Conselho de Ministros, forneceu alguns detalhes. “Os recursos serão parcialmente utilizados no âmbito do primeiro decreto que estamos a preparar e que esperamos aprovar esta semana, na sexta-feira, num valor de 12 mil milhões de euros”, afirmou Gualtieri.

Há uma semana, a Itália decidiu disponibilizar um montante de 7,5 mil milhões de euros, mas perante o agravamento da situação, o Governo deu outro passo, apesar de um grande défice nas finanças públicas e de uma dívida superior a 130% do PIB, o que preocupa Bruxelas há anos.

A epidemia de Covid-19 foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.200 mortos. Cerca de 117 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países, e mais de 63 mil recuperaram.

Nos últimos dias, a Itália tornou-se o caso mais grave de epidemia fora da China, com 631 mortos e mais de 10.100 contaminados pelo novo coronavírus, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia. A quarentena imposta pelo governo italiano ao Norte do País foi alargada a toda a Itália.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Roma disponibiliza 25 mil milhões de euros para combater coronavírus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião