Taxa de desemprego em Portugal terá caído para os 6,5% em fevereiro

O INE reviu em baixa a estimativa para o desemprego em janeiro, que se fixou nos 6,7%. Já para fevereiro, os números provisórios apontam para uma taxa de 6,5%.

A taxa de desemprego em Portugal caiu para os 6,5% em fevereiro, mostram as estimativas publicadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), esta terça-feira. Já em janeiro a taxa de desemprego foi de 6,7%, abaixo do valor provisório divulgado pelo INE no mês passado.

O INE sublinha que “a informação deste destaque não reflete ainda a situação atual determinada pela pandemia Covid-19”, acrescentando que “é possível que as tendências aqui analisadas se venham a alterar”.

Em fevereiro de 2020 a população desempregada correspondeu a 336,3 mil pessoas, de acordo com a estimativa. Este número representa um decréscimo de 3,8% em relação ao mês anterior e de 3,1% relativamente a três meses antes (novembro de 2019), tendo ficado “praticamente inalterada por comparação com o mês homólogo de 2019”, aponta o INE.

A taxa de desemprego dos jovens no segundo mês do ano foi estimada em 19,5%, igualando a do mês anterior. Já na taxa de desemprego dos adultos verificou-se uma diminuição de 0,2 p.p. relativamente ao mês anterior, para 5,5%.

No que diz respeito à taxa de janeiro, com os números confirmados agora pelo INE passa a ter-se registado uma estabilização nesse mês, em vez de uma subida, já que foi um valor igual ao do mês anterior. Quer isto dizer que 2020 arrancou com uma estabilização da taxa de desemprego nos 6,7%.

Comparando com o mês anterior, dezembro, a população desempregada aumentou 1,8 mil pessoas (0,5%) e a população empregada aumentou 8,1 mil pessoas (0,2%), nota ainda o INE.

(Notícia atualizada às 11h45)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Taxa de desemprego em Portugal terá caído para os 6,5% em fevereiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião