CFO portugueses preocupados com recessão global. Contenção de custos é o foco

A maioria dos administradores financeiros portugueses inquiridos num estudo da PwC prevê que o Covid-19 impacte negativamente as receitas e lucros este ano.

A maioria dos administradores financeiros das principais empresas em Portugal estão preocupados com a possibilidade de uma recessão global, devido à pandemia do novo coronavírus. Mais de dois terços dos 91 inquiridos que responderam ao inquérito da consultora PwC prevê que o Covid-19 impacte negativamente as receitas e lucros este ano.

Perante este cenário, as principais medidas a serem tomadas são no sentido de contenção de custos, referida por mais de metade dos inquiridos no “Covid-19 CFO Pulse Survey”, bem como de diferir ou cancelar investimentos já planeados e de ajustes às orientações iniciais.

Os Chief Financial Officers (CFO) portugueses deverão avançar para medidas, no próximo mês, que envolvem “a redução da produção, devido à pouca capacidade de trabalho remoto, alterações e rotação no pessoal, devido à redução da procura e lay-offs“, nota a empresa de consultoria e auditoria, em comunicado.

Principais medidas financeiras tomadas face a pandemiaPwC

Aproximadamente metade dos administradores financeiros portugueses inquiridos, entre os dias 23 e 25 de março, neste estudo que obteve 91 respostas, estimam que deverá levar entre um a três meses para voltar à normalidade. Já cerca de um quinto considera que ainda é muito cedo para conseguir avaliar a verdadeira dimensão do impacto da pandemia no negócio.

“A solvência mantém-se como prioridade diante de uma potencial desaceleração económica global e podemos esperar outras ações financeiras relevantes, destinadas a manter a resiliência dos negócios, durante a próxima semana”, aponta António Rodrigues, partner da PwC, citado em comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CFO portugueses preocupados com recessão global. Contenção de custos é o foco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião