No mês do arranque da moratória, prestação da casa com Euribor a 6 meses sobe

Famílias com o crédito da casa associado à Euribor a seis meses vão ver a prestação subir 0,42% em abril. Empréstimos com indexantes a três e 12 meses beneficiam de alívio de encargos de 0,32% e 2,2%.

As famílias com crédito à habitação indexado à Euribor a seis meses cujos contratos sejam revistos neste mês de abril, vão sentir um agravamento no valor da prestação da casa, apesar de ligeiro. Subida coincide com o arranque da disponibilização de moratórias de crédito pelos bancos, medida que irá permitir às famílias mais fustigadas pelos efeitos económicos do coronavírus beneficiarem da suspensão do pagamento das prestações do crédito da casa.

Em termos práticos, considerando o cenário de um empréstimo no valor de 100 mil euros, por um prazo de 30 anos, e com um spread de 1%, as famílias com créditos associados à Euribor a seis meses vão ver a prestação subir 0,42%. Serão mais 1,29 euros, colocando o valor da prestação mensal nos 305,15 euros.

Para os créditos que usam os restantes indexantes, as revisões de abril trazem, contudo, um novo alívio de encargos.

Evolução da Euribor a três meses no último ano

Fonte: Reuters e Lusa

No caso dos contratos indexados à Euribor a três meses, a redução rondará os 0,32%, correspondendo a menos 98 cêntimos por mês, com a prestação a recuar para 302,84 euros ao longo dos próximos três meses.

Mais compensados ainda serão os agregados com empréstimos associados à Euribor a 12 meses — indexante que domina o grosso dos nossos financiamentos para a compra de casa –, já que vão ter um corte de encargos que supera os 2%. Nestes casos, a prestação baixa 2,2%, ou o equivalente a 7,09 euros, com o encargos mensal a fixar-se nos 309,57 euros ao longo do próximo ano. Trata-se de um mínimo histórico.

A descida dos encargos nos créditos da casa com Euribor a três e 12 meses acontece apesar da recente inversão de sentido nos indexantes. Essa situação é particularmente notória no caso da Euribor a três meses que depois de ter atingido um mínimo histórico a 12 de março, tem vindo a acumular sucessivas subidas, tornando-se cada vez menos negativa, depois de o Banco Central Europeu (BCE) ter optado por não rever em baixa a taxa de depósito, contrariando o esperado pelo mercado. A expectativa era que essa ferramenta pudesse vir a ser usada no combate à ameaça de recessão económica na Zona Euro devido ao coronavírus.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

No mês do arranque da moratória, prestação da casa com Euribor a 6 meses sobe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião