Lagarde disparou a bazuca do BCE, mas a arma é de curto alcance

Pacote do banco central deverá ajudar os países a continuarem a financiar-se com custos limitados para responder à crise pandémica. Dúvida prende-se com a capacidade de chegar a famílias e empresas.

Com atraso e às prestações, o Banco Central Europeu (BCE) acionou um plano de emergência para reagir à crise do coronavírus. Christine Lagarde foi ao arsenal buscar a bazuca do antecessor Mario Draghi e disparou capital em direção ao sistema financeiro, mas o curto alcance da arma deverá dificultar que a liquidez chegue à economia real.

“O novo programa é gigantesco. O BCE poderá comprar 2,5 vezes mais do que já estava previsto, o que é um aumento bastante considerável. O montante total deste pacote de emergência é inclusivamente superior ao pacote similar anunciado pela Reserva Federal nos Estados Unidos ou a qualquer outro programa utilizado pelo BCE durante a última crise financeira. Só há mesmo a lamentar o facto de ter chegado com, pelo menos, uma semana de atraso”, diz João Pisco, analista financeiro do Bankinter.

A bazuca chegou na forma de um Programa de Compras de Emergência Pandémica (PEPP, na sigla em inglês) que implica a aquisição de 750 mil milhões de euros em obrigações públicas e privadas e, pela primeira vez, papel comercial. O anúncio foi feito esta quarta-feira à noite, quase uma semana depois da primeira reação do banco central.

"O montante total deste pacote de emergência é inclusivamente superior ao pacote similar anunciado pela Reserva Federal nos Estados Unidos ou a qualquer outro programa utilizado pelo BCE durante a última crise financeira.”

João Pisco

Analista financeiro do Bankinter

Logo à partida o BCE surpreendeu por não responder de imediato, tal como fizeram a Fed ou o Banco de Inglaterra, que começaram a reagir há várias semanas com decisões extraordinárias. Na Zona Euro, o BCE esperou pelo calendário e, na data marcada para a reunião do Conselho de Governadores, anunciou um pacote de medidas: 120 mil milhões em compras de dívida, empréstimos a baixos custos à banca e a flexibilização das regras de supervisão para a banca.

E numa altura em que o stress nos mercados já fazia subir os juros das dívidas públicas dos países periféricos, Christine Lagarde mostrou intransigência: “Não estamos aqui para fechar spreads“. Até houve alguns elogios — especialmente entre analistas na Alemanha — por Lagarde não ter cedido à pressão que poderia gerar ainda mais pânico, mas a reação generalizada dos investidores mostrou desilusão.

Uma semana depois viria um novo pacote de medidas, acompanhado de uma declaração muito diferente: prometia fazer “tudo o que for necessário dentro do seu mandato” para proteger a Zona Euro, numa referência ao famoso discurso de Draghi durante a crise financeira.

“Lagarde encontrou a sua bazuca”, diz Azad Zangana, economista sénior para a Europa da Schroders. “No seguimento da reação desanimadora dos mercados financeiros à anterior reunião, o BCE decidiu ampliar o pacote de estímulos numa tentativa de restaurar a confiança dos mercados. A declaração da presidente do BCE Christine Lagarde sobre os spreads chocou os investidores e espoletou uma profundo selloff nos mercados de ações”.

"Comprar dívida alivia a liquidez, mas o BCE tem de conseguir chegar à economia real porque quem está em dificuldades é que vai bater à porta dos bancos.”

Filipe Silva

Diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa

O pacote de emergência foi recebido com mais ânimo. Apesar de as ações continuarem a negociar com forte volatilidade, os juros das dívida acalmaram as subidas. Após um disparo para o valor mais elevado em mais de ano, acima de 1,5%, a yield das obrigações do Tesouro português a dez anos recuou, ficando ainda assim próxima de 1%. A opinião dos analistas consultados é consensual: as medidas deverão ajudar a limitar a subida das yields, enquanto garante que o mercado não seca.

Comprar dívida alivia a liquidez, mas o BCE tem de conseguir chegar à economia real porque quem está em dificuldades é que vai bater à porta dos bancos. Não são as empresas com rating de investimento [que se qualificam para o programa de compra de ativos]”, lembra Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa. “Pode travar parte do impacto, mas irá depender do tempo que a economia estiver parada”.

É exatamente para estimular essa passagem da liquidez do sistema financeiro para empresas e famílias que o BCE fez acompanhar este programa de regras mais flexíveis na supervisão bancária e empréstimos com custos mais baixos aos bancos.

“Estas medidas estão efetivamente desenhadas para ajudar os bancos a manter ou até aumentar as linhas de créditos e os empréstimos ao setor empresarial, em particular as pequenas e médias empresas”, refere Eric Dor, economista da IESEG School of Management em Lille. “Apesar de serem medidas extremamente úteis, há, no entanto, problemas a resolver. Os mercados estão efetivamente preocupados sobre a solvência de países já sobre-endividados. A crise atual vai causar um grande aumento da dívida pública dos países da Zona Euro”, alerta.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Lagarde disparou a bazuca do BCE, mas a arma é de curto alcance

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião