Lagarde disparou a bazuca do BCE, mas a arma é de curto alcance

Pacote do banco central deverá ajudar os países a continuarem a financiar-se com custos limitados para responder à crise pandémica. Dúvida prende-se com a capacidade de chegar a famílias e empresas.

Com atraso e às prestações, o Banco Central Europeu (BCE) acionou um plano de emergência para reagir à crise do coronavírus. Christine Lagarde foi ao arsenal buscar a bazuca do antecessor Mario Draghi e disparou capital em direção ao sistema financeiro, mas o curto alcance da arma deverá dificultar que a liquidez chegue à economia real.

“O novo programa é gigantesco. O BCE poderá comprar 2,5 vezes mais do que já estava previsto, o que é um aumento bastante considerável. O montante total deste pacote de emergência é inclusivamente superior ao pacote similar anunciado pela Reserva Federal nos Estados Unidos ou a qualquer outro programa utilizado pelo BCE durante a última crise financeira. Só há mesmo a lamentar o facto de ter chegado com, pelo menos, uma semana de atraso”, diz João Pisco, analista financeiro do Bankinter.

A bazuca chegou na forma de um Programa de Compras de Emergência Pandémica (PEPP, na sigla em inglês) que implica a aquisição de 750 mil milhões de euros em obrigações públicas e privadas e, pela primeira vez, papel comercial. O anúncio foi feito esta quarta-feira à noite, quase uma semana depois da primeira reação do banco central.

"O montante total deste pacote de emergência é inclusivamente superior ao pacote similar anunciado pela Reserva Federal nos Estados Unidos ou a qualquer outro programa utilizado pelo BCE durante a última crise financeira.”

João Pisco

Analista financeiro do Bankinter

Logo à partida o BCE surpreendeu por não responder de imediato, tal como fizeram a Fed ou o Banco de Inglaterra, que começaram a reagir há várias semanas com decisões extraordinárias. Na Zona Euro, o BCE esperou pelo calendário e, na data marcada para a reunião do Conselho de Governadores, anunciou um pacote de medidas: 120 mil milhões em compras de dívida, empréstimos a baixos custos à banca e a flexibilização das regras de supervisão para a banca.

E numa altura em que o stress nos mercados já fazia subir os juros das dívidas públicas dos países periféricos, Christine Lagarde mostrou intransigência: “Não estamos aqui para fechar spreads“. Até houve alguns elogios — especialmente entre analistas na Alemanha — por Lagarde não ter cedido à pressão que poderia gerar ainda mais pânico, mas a reação generalizada dos investidores mostrou desilusão.

Uma semana depois viria um novo pacote de medidas, acompanhado de uma declaração muito diferente: prometia fazer “tudo o que for necessário dentro do seu mandato” para proteger a Zona Euro, numa referência ao famoso discurso de Draghi durante a crise financeira.

“Lagarde encontrou a sua bazuca”, diz Azad Zangana, economista sénior para a Europa da Schroders. “No seguimento da reação desanimadora dos mercados financeiros à anterior reunião, o BCE decidiu ampliar o pacote de estímulos numa tentativa de restaurar a confiança dos mercados. A declaração da presidente do BCE Christine Lagarde sobre os spreads chocou os investidores e espoletou uma profundo selloff nos mercados de ações”.

"Comprar dívida alivia a liquidez, mas o BCE tem de conseguir chegar à economia real porque quem está em dificuldades é que vai bater à porta dos bancos.”

Filipe Silva

Diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa

O pacote de emergência foi recebido com mais ânimo. Apesar de as ações continuarem a negociar com forte volatilidade, os juros das dívida acalmaram as subidas. Após um disparo para o valor mais elevado em mais de ano, acima de 1,5%, a yield das obrigações do Tesouro português a dez anos recuou, ficando ainda assim próxima de 1%. A opinião dos analistas consultados é consensual: as medidas deverão ajudar a limitar a subida das yields, enquanto garante que o mercado não seca.

Comprar dívida alivia a liquidez, mas o BCE tem de conseguir chegar à economia real porque quem está em dificuldades é que vai bater à porta dos bancos. Não são as empresas com rating de investimento [que se qualificam para o programa de compra de ativos]”, lembra Filipe Silva, diretor da gestão de ativos do Banco Carregosa. “Pode travar parte do impacto, mas irá depender do tempo que a economia estiver parada”.

É exatamente para estimular essa passagem da liquidez do sistema financeiro para empresas e famílias que o BCE fez acompanhar este programa de regras mais flexíveis na supervisão bancária e empréstimos com custos mais baixos aos bancos.

“Estas medidas estão efetivamente desenhadas para ajudar os bancos a manter ou até aumentar as linhas de créditos e os empréstimos ao setor empresarial, em particular as pequenas e médias empresas”, refere Eric Dor, economista da IESEG School of Management em Lille. “Apesar de serem medidas extremamente úteis, há, no entanto, problemas a resolver. Os mercados estão efetivamente preocupados sobre a solvência de países já sobre-endividados. A crise atual vai causar um grande aumento da dívida pública dos países da Zona Euro”, alerta.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde disparou a bazuca do BCE, mas a arma é de curto alcance

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião