Centeno elogia BCE. UE “explora vias” para intensificar resposta

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, elogiou o programa de emergência que o Banco Central Europeu anunciou. São 750 mil milhões de euros para a compra de ativos públicos e privados.

Mário Centeno elogiou esta quinta-feira, a decisão do Banco Central Europeu (BCE) de avançar com um programa de emergência para comprar ativos públicos e privados no valor de 750 mil milhões de euros. Além disso, sinalizou que a União Europeia está a “explorar vias” para intensificar a resposta coordenada ao novo coronavírus.

“Congratulo-me com a decisão importante anunciada pelo BCE na noite passada”, escreveu o presidente do Eurogrupo na sua conta oficial de Twitter, garantindo que a UE está à altura da ocasião na luta contra esta pandemia “com ação coordenada”. E avançou com um sinal de que poderá haver novidades em breve: “Os países estão a tomar decisões fortes e estamos a explorar vias para intensificar a resposta política conjunta na UE“.

Este sinal poderá estar relacionado com as apelidadas “coronabonds” (ou “eurobonds”, obrigações ao nível da Zona Euro com partilha de risco entre os países) que são admitidas pela primeira vez pelo Governo alemão. Segundo a Bloomberg, a chanceler alemã, Angela Merkel, pediu ao seu ministro das Finanças, Olaf Scholz, para avaliar o tema, remetendo a discussão para o Eurogrupo.

Este comentário foi feito na “pele” de presidente do Eurogrupo, mas a medida também agradará ao ministro das Finanças de Portugal, cujo saldo orçamental é equilibrado mas está limitado pela elevada dívida pública. O programa do BCE deverá aliviar a pressão sobre os países europeus periféricos no mercado secundário das obrigações soberanas, além de ajudar também a baixar os custos de financiamento das empresas.

O programa anunciado pela presidente do BCE, Christine Lagarde — que disse que “tempos extraordinários requerem medidas extraordinárias”, assegurando que o compromisso do banco central com o euro “não tem limites” –, recebeu também o elogio de Emmanuel Macron. “Apoio total às medidas excecionais tomadas pelo BCE. Cabe agora a nós, Estados europeus, estarmos presentes com medidas orçamentais e uma maior solidariedade na zona do euro. Os nossos povos e as nossas economias precisam”, escreveu o Presidente francês na sua conta oficial do Twitter.

O elogio chegou também da Comissão Europeia. O vice-presidente para a economia, Valdis Dombrovskis, considera que este é um “contributo importante” para a resposta coletiva da UE. “A Comissão Europeia está preparada para fazer tudo o que for necessário para ajudar as nossas empresas e trabalhadores”, escreveu também no Twitter.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno elogia BCE. UE “explora vias” para intensificar resposta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião