Pela primeira vez, Merkel admite emissão de dívida comum na Zona Euro

  • ECO
  • 17 Março 2020

Pela primeira vez, a chanceler alemão demonstrou abertura para que seja emitida dívida pública europeia. Posição surge em plena pandemia, com a economia dos vários países da região em forte travagem.

Há muitos anos que alguns países europeus pedem para que se avance com a mutualização da dívida dos países europeus, mas essa ideia nunca foi vista com bons olhos por parte de alguns governos. A Alemanha sempre se mostrou contra, mas agora sinaliza alguma abertura. Com a Europa a encaminhar-se para uma recessão, fruto do coronavírus, Angela Merkel não diz que sim, mas também não rejeita a possibilidade.

As Eurobonds voltaram a estar em cima da mesa na reunião do Conselho Europeu extraordinário, realizado por videoconferência. E foi levantada, segundo a Bloomberg, por Giuseppe Conte, primeiro-ministro daquele que está a ser o país mais fustigado pela pandemia do Covid-19, vírus que surgiu na China no final do ano passado. O chefe do governo italiano não ficou sem resposta. Aos jornalistas, Merkel mostrou abertura.

Angela Merkel afirmou que perante o pedido de Conte, solicitou ao seu ministro das Finanças para analisar a situação para que a Alemanha possa fazer parte desta potencial operação de emissão de dívida de vários países do euro. E remeteu o tema para a “reunião dos ministros das finanças”, ou seja, o Eurogrupo.

É a primeira vez que a chanceler admite esta dívida comum, que implicaria custos de financiamento mais baixos para muitos países do euro. É que havendo dívida alemã, mas também francesa, neste “bolo” — as duas maiores potências da região –, o apetite por estes títulos seria elevado num contexto de juros em mínimos históricos, fazendo baixar as taxas exigidas pelos investidores nos mercados internacionais.

A abertura da Alemanha surge numa altura em que vários países do euro, como Itália, Espanha e Portugal, veem os juros da sua dívida agravar-se nos mercados. Sendo países com elevados níveis de endividamento, a perspetiva de um forte impacto do vírus nas suas economias faz aumentar a desconfiança dos investidores, levando-os a exigirem taxas mais elevadas para os financiarem. A taxa de Portugal a 10 anos está já acima de 1%.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pela primeira vez, Merkel admite emissão de dívida comum na Zona Euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião