Contra a pandemia, 300 economistas dizem ao Conselho Europeu que “é tempo de eurobonds”

Grupo defende que, em vez de cada Estado-membro emitir a sua própria dívida pública para manter as economias a funcionar, a Zona Euro deveria adotar uma solução de partilha de risco.

“É tempo de solidariedade. É tempo de Eurobonds”. O apelo é feito por 300 economistas europeus, numa carta aberta ao Conselho Europeu, que consideram que a emissão de dívida pública comum aos países da Zona Euro é uma solução eficaz para financiar as medidas de travão ao impacto da pandemia de Covid-19.

“A crise do Covid-19 pode destruir a Zona Euro”, pode ler-se na carta, que Francisco Louçã (um dos economistas que assinou o manifesto) partilhou na sua página de Facebook. “Nenhum Estado membro deveria ter que recorrer a um bail-out ou assinar um novo memorando para acesso a fundos de emergência. Isto é uma crise europeia, exige uma solução europeia”.

O grupo defende que, em vez de cada Estado-membro emitir a sua própria dívida pública para manter as economias a funcionar, a Zona Euro deveria adotar uma solução de partilha de risco. E é isso que pede ao Conselho Europeu. “Precisamos de um instrumento comum de dívida para mutualizar os custos orçamentais no combate à crise. Agora é tempo de ação. É tempo de solidariedade. É tempo de Eurobonds”, defendem.

A ideia das Eurobonds tem mais de 30 anos, mas nunca avançou devido à oposição de países como a Alemanha. O tema voltou a estar em cima da mesa na reunião do Conselho Europeu extraordinário, realizado na terça-feira por videoconferência. Segundo a Bloomberg, foi lançado pelo italiano Giuseppe Conte, primeiro-ministro daquele que está a ser o país mais fustigado pela pandemia do Covid-19.

Mas pela primeira vez, houve abertura por parte da Alemanha. Aos jornalistas, a chancelar alemã Angela Merkel mostrou abertura para a hipótese, que durante a crise da dívida soberana tinha sido vista como uma linha vermelha pela Alemanha. Merkel solicitou ao ministro das Finanças alemão que analise a situação para que a Alemanha possa fazer parte desta potencial operação de emissão de dívida de vários países do euro. E remeteu o tema para a “reunião dos ministros das finanças”.

O grupo de economistas que defende a hipótese alguns dos mais reconhecidos especialistas europeus e norte-americanos. É o caso de Mark Blyth, Thomas Piketty, Gabriel Zucman, Giovanni Dosi, Alan Kirman ou Jean Paul Fitoussi. Inclui também dois portugueses, além de Francisco Louçã: Marina Costa Lobo e Amílcar Moreira.

Além destes, também o governador do Banco de Portugal é favorável à ideia. Carlos Costa considera que a Zona Euro deve utilizar a emissão de títulos de dívida comunitários para ultrapassar a crise provocada pelo impacto económico do coronavírus, argumentando que “não existe risco moral e o interesse é comum” a todos os países, num artigo de opinião publicado esta sexta-feira, no Jornal Económico.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Contra a pandemia, 300 economistas dizem ao Conselho Europeu que “é tempo de eurobonds”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião