Presidente do BCE espera recessão considerável na Zona Euro

  • Lusa
  • 19 Março 2020

Num artigo de opinião publicado em vários jornais, Christine Lagarde disse que com grande parte da atividade económica parada, resultado será a economia da Zona Euro “contrair-se consideravelmente".

A presidente do Banco Central Europeu (BCE) disse esta quinta-feira esperar uma recessão considerável na zona euro devido ao impacto económico da pandemia de Covid-19.

Num artigo de opinião publicado em vários jornais, Christine Lagarde disse que com uma grande parte da atividade económica parada, o resultado será a economia da zona euro “contrair-se consideravelmente”.

Neste contexto, a presidente do BCE afirmou que é preciso uma “resposta ambiciosa, coordenada e urgente”, e que a instituição que lidera irá fazer “tudo o que for necessário no âmbito do mandato para ajudar a área do euro a atravessar esta crise”, uma vez que o “BCE está ao serviço dos cidadãos europeus”.

Uma frase que recorda a dita pelo ex-presidente do BCE Mário Draghi no pico da crise da dívida soberana em 2012, que contribuiu para resolver a crise e preservar o euro.

Lagarde destacou a necessidade de políticas públicas, referindo que, não podendo evitar a crise gerada, “podem, contudo, assegurar que o abrandamento não seja mais prolongado e profundo do que o necessário”, apoiando empresas e postos de trabalho.

“As políticas de saúde e orçamentais devem constituir o cerne desta resposta”, assinalou.

Ao mesmo tempo, referiu, a política monetária terá de “desempenhar um papel vital”, ao dar liquidez ao setor financeiro para que este dê condições de financiamento favoráveis para todos os setores da economia (Estado, empresas e famílias).

Na quarta-feira à noite, o Banco Central Europeu (BCE) aprovou um programa de compra de ativos no valor de 750 mil milhões de euros, numa tentativa de retomar os fluxos financeiros e conter o choque económico na zona euro da doença Covid-19, com muitas empresas a serem forçadas a suspender as suas atividades e mesmo ameaçadas de falência e trabalhadores com empregos em risco.

Esta injeção de liquidez (que representa 7,3% do produto interno bruto da Zona Euro) soma-se aos 120 mil milhões de euros em compra de ativos aprovados a semana passada, que não foram considerados suficientemente ambiciosos.

Lagarde justificou o Programa de Compra de Ativos por Pandemia com a deterioração das condições da economia e, logo, restritividade das condições de financiamento, desenvolvimentos que considerou que “comprometem a transmissão regular da política monetária em todas as jurisdições da área do euro e colocam em risco a estabilidade de preços”.

As compras de ativos serão feitas de forma flexível, com alterações na distribuição dos fluxos de compras ao longo do tempo, por classes de ativos e entre jurisdições. O programa durará, pelo menos, até final do ano.

O BCE decidiu ainda alargar a lista dos ativos de garantia elegíveis com que os bancos obtêm financiamento no banco central.

Lagarde realçou igualmente as medidas tomadas a semana passada pelo BCE de operações de refinanciamento a uma taxa de -0,75%, abaixo da taxa de juro dos depósitos, o que diz permitir “disponibilizar liquidez num montante que ascende a três biliões de euros”.

Ao mesmo tempo, as autoridades de supervisão bancária já facilitaram as regras de capital bancário, novamente para melhorar a concessão de empréstimos pelos bancos.

Apesar das medidas já tomadas, Lagarde afirmou que o BCE continua preparado para aumentar a dimensão dos programas de compras de ativos e tomar todas as opções e medidas “para apoiar a economia no contexto deste choque”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, infetou mais de 235 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 9.800 morreram.

Das pessoas infetadas, mais de 86.600 recuperaram da doença.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se já por 177 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente do BCE espera recessão considerável na Zona Euro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião