Nasdaq lidera recuperação em Wall Street. Investidores aplaudem bancos centrais

Os principais índices bolsistas dos EUA encerraram em alta, com os investidores a reagirem positivamente à atuação dos bancos centrais.

Após novo trambolhão na sessão anterior e um arranque negativo, o verde imperou em Wall Street. Os principais índices bolsistas norte-americanos encerraram em alta, esta quinta-feira, com os investidores a darem algum crédito aos esforços dos bancos centrais e outras organizações no sentido de travar o impacto negativo da pandemia de Covid-19 na economia.

A maior recuperação coube ao Nasdaq que somou 2,3%, para os 7,50,58 pontos, enquanto o S&P 500 ganhou 0,48%, para os 2.409,5 pontos, e o Dow Jones avançou 0,95%, para 20088,55 pontos.

Esta recuperação acontece depois de a Reserva Federal dos EUA ter decidido abriu linhas de swap com bancos centrais em nove novos países para garantir que o sistema financeiro mundial dependente do dólar continue a funcionar.

Esta foi a mais recente de uma série de medidas tomadas pelo banco central dos EUA nas últimas duas semanas, incluindo a redução de custos de empréstimos para quase zero e o fornecimento de milhares de milhões de dólares em crédito barato.

Já o Banco Central Europeu prometeu na quarta-feira comprar 750 mil milhões de euros em dívida soberana até 2020.

“Os investidores ativos estão a usar isso como uma oportunidade para captar o que podem ser consideradas como ‘pechinchas’, porque ninguém tem muita certeza sobre como avaliar as ações neste momento”, disse Robert Pavlik, estratega-chefe da SlateStone Wealth, citado pela Reuters, face à reação dos mercados nesta quinta-feira.

Em forte alta, reagiram também as cotações do petróleo. O barril do “ouro negro” chegou a valorizar 35%, esta quinta-feira, nos mercados internacionais, mas continua a negociar abaixo da fasquia dos 30 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nasdaq lidera recuperação em Wall Street. Investidores aplaudem bancos centrais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião