Efeitos económicos da pandemia serão “duradouros”. “Caminho é muito longo e exigente”, diz Marcelo

Presidente da República prolongou até ao dia 17 de abril o estado de emergência no país por causa da pandemia de Covid-19. Avisa que efeitos vão ser "duradouros".

“Este vai ser, porventura, o nosso maior desafio dos últimos 45 anos. (…) Os seus efeitos económicos e sociais serão mais profundos e mais duradouros do que as crises mais longas que já vivemos”, afirmou o Presidente da República na declaração ao país para explicar o prolongamento do estado de emergência por mais 15 dias por causa da pandemia de Covid-19. Marcelo Rebelo de Sousa avisa já que o caminho para a recuperação vai ser “muito longo e muito exigente”.

O Presidente da República iniciou a sua declaração a elogiar a “coragem serena” com que os portugueses estão a combater a pandemia. Mas pediu um novo esforço porque estamos perante um “adversário insidioso, imprevisível” e que “atinge concentradamente vida e saúde, sem paralelo na nossa história democrática”.

Depois, porque os efeitos do vírus também estão a ser sentidos a nível económico e social, e vão perdurar por mais tempo do que nas piores crises que Portugal já teve, alertou que a pandemia “agrava brutalmente a pobreza dos mais pobres, a desigualdade dos mais desiguais, as exclusões dos mais excluídos”. E deixou um aviso: as autoridades vão estar mais atentas para punir “aqueles que queiram aproveitar-se da crise para atividades criminosas”.

Percebendo tudo o que está causa, reconheceu chefe de Estado, “os portugueses decidiram abraçar a luta comum” contra um vírus que tenta paralisar a sociedade: “Os profissionais de saúde continuam a fazer milagres. (…) Empresas alteram planos para produzir o que mais nos falta. Cientistas trabalham em novos testes, fármacos e vacinas em grupos internacionais. Camionistas mantêm fornecimentos quase impossíveis (…)”, exemplificou Marcelo, elogiando mais uma vez o comportamento dos portugueses.

Portugal superou a primeira fase deste caminho “muito longo e muito exigente” com sucesso, o que permitiu conter a disseminação do vírus. Marcelo pediu agora para não se facilitar e não baixar a guarda “neste mês essencial de abril”. E foi também por isso que decidiu pela renovação do estado de emergência: para o país “ganhar a segunda fase do combate pela vida e pela saúde, assim abreviando o começo da reconstrução económica e social”.

“Tem sido e continuará a ser uma mudança radical na nossa vida? Tem sido e terá de ser por mais umas semanas. Mas o que importa é sabermos que essa mudança pode valer muitas dezenas de milhares de vidas salvas“, lembrou ainda sobre a necessidade de os portugueses se manterem em suas casas.

A renovação do estado de emergência até dia 17 de abril vem acompanhado de medidas ainda mais restritivas para a população do que até agora, à medida que o país entra nas semanas mais críticas no combate à pandemia.

(Notícia atualizada às 20h59)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Efeitos económicos da pandemia serão “duradouros”. “Caminho é muito longo e exigente”, diz Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião