Travão à circulação, aeroportos fechados na Páscoa e maior fiscalização dos despedimentos. Veja as novas medidas do estado de emergência

O Governo já aprovou as medidas que concretizam a extensão por mais 15 dias do estado de emergência em Portugal. Conheça-as aqui.

O Governo aprovou em Conselho de Ministros um conjunto de novas medidas que entrarão em vigor à meia-noite e que concretizarão a extensão por mais 15 dias do estado de emergência em Portugal. A reunião entre os governantes ainda decorre, mas o primeiro-ministro saiu para apresentar já algumas delas aos portugueses.

As medidas vão ser particularmente restritivas no período da Páscoa, em que os cidadãos não poderão deixar o concelho de residência, salvo exceções, e em que todos os aeroportos nacionais vão ser encerrados ao tráfego de passageiros. Estas são, para já, as novidades anunciadas por António Costa, em declarações transmitidas pela SIC Notícias:

  • Não deve haver ajuntamentos de mais do que cinco pessoas, salvo pessoas que tenham laços familiares e famílias numerosas que excedam as cinco pessoas;
  • Reforço da capacidade financeira de as autarquias locais poderem atuar, designadamente excetuando a aplicação da lei dos compromissos, agilizando a possibilidade de contração de empréstimos a curto prazo e concessão de medidas de apoio a instituições;
  • Prorrogação do prazo para os proprietários procederem à limpeza das matas (“convém não esquecer que o país tem um enorme risco de incêndio florestal”, lembrou António Costa, pois o prazo iria terminar a 15 de abril);
  • Isenção de taxas moderadoras aos doentes com Covid-19, tanto no diagnóstico como no tratamento;
  • No período da Páscoa, das 0h00 de dia 9 às 24h de dia 13, “serão proibidas as deslocações para fora do concelho de residência habitual, exceto para pessoas que tenham de se deslocar para atividades profissionais” ou nos concelhos em que há “descontinuidade territorial”;
  • Das 0h00 de dia 9 às 24h de dia 13, serão “encerrados ao tráfego de passageiros todos os aeroportos nacionais”;
  • O Ministério da Saúde e o Ministério da Administração Interna vão definir uma lista de países ou territórios cuja origem determina a realização de consulta médica, uma forma de prevenir a difusão no território nacional de contaminações de quem venha de regiões onde há especial incidência da epidemia;
  • Transporte aéreo também fica limitado à lotação de um terço, para “assegurar um maior afastamento social possível”, tal como já acontece nos demais transportes públicos;
  • Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) ganha “competências reforçadas” para fiscalizar empresas (o chefe do Governo disse haver “notícia de alguns abusos nas relações laborais”, pelo que inspetores de outras autoridades serão chamados a “reforçar o quadro da ACT”);
  • ACT terá poder para “suspender qualquer despedimento em que haja indícios de ilegalidade”, disse António Costa;
  • Agilização do processo pelo qual o Presidente da República poderá conceder, por razões humanitárias, indulto a condenados idosos ou pessoas particularmente vulneráveis.
  • Haverá perdão parcial das penas de prisão até dois anos ou dos últimos dois anos de penas de prisão, exceto a quem tenha cometido crimes particularmente hediondos, como homicídio, abuso de menores, violência doméstica ou crimes cometidos por titulares de cargos políticos, membros das forças de segurança ou forças armadas, ou pessoas com especiais funções de responsabilidade;
  • Licenças precárias, que podem ser concedidas pelas autoridades prisionais por um período de três dias, passam a poder ser concedidas por um máximo de 45 dias, “sendo que esgotados esses dias, as autoridades poderão decidir antecipar a concessão de liberdade condicional, na perspetiva de que, nesses dias, as pessoas tenham um comportamento adequado”, explicou o primeiro-ministro.

(Notícia atualizada pela última vez às 18h59)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Travão à circulação, aeroportos fechados na Páscoa e maior fiscalização dos despedimentos. Veja as novas medidas do estado de emergência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião