Roca suspende atividade. Põe 900 trabalhadores em lay-off

  • Lusa
  • 2 Abril 2020

Roca não fixa um prazo para o retorno à atividade, dizendo estar “a agir ativamente” e a “monitorizar de forma contínua” a situação.

A empresa Roca, com sede no concelho de Leiria, anunciou que cerca de 900 trabalhadores estão em lay-off devido à suspensão da atividade industrial, motivada pela redução da procura e cancelamento de encomendas na sequência da pandemia de covid-19.

Já num comunicado divulgado na quarta-feira, a multinacional que produz e comercializa louça sanitária, revestimentos e pavimentos, justifica a decisão com os efeitos da “fase mais avançada de propagação do coronavírus em Portugal”, que provocou a “redução significativa da procura ou efetiva suspensão de encomendas” por parte dos clientes.

A Roca, que encontra ainda “dificuldades emergentes na cadeia de abastecimento”, suspende temporariamente a atividade recorrendo ao mecanismo de lay-off. Em funcionamento permanecem “serviços mínimos” nas áreas comerciais e de logística.

O ‘lay-off’ permite a redução temporária dos períodos normais de trabalho ou suspensão dos contratos de trabalho efetuada por iniciativa das empresas, durante um determinado tempo.

A Roca não fixa um prazo para o retorno à atividade, dizendo estar “a agir ativamente” e a “monitorizar de forma contínua” a situação, que “será alterada mediante novas indicações ou medidas oficiais”.

Dedicada ao design, produção e comercialização de produtos para espaços de banho, a Roca emprega um total de cerca de 24 mil trabalhadores em centros de produção distribuídos por 170 países.

Em Leiria, onde está sediada, a empresa dá trabalho a mais de 900 pessoas e é a maior exportadora do distrito.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de um milhão de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 51 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 190.000 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 209 mortes, mais 22 do que na quarta-feira (+11,8%), e 9.034 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 783 em relação a terça-feira (+9,5%).

Dos infetados, 1.042 estão internados, 240 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 68 doentes que já recuperaram.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Roca suspende atividade. Põe 900 trabalhadores em lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião