Galp e BCP arrastam bolsa de Lisboa para o vermelho

O PSI-20 acompanha as quedas dos pares europeus, um dia em que o receio dos investidores volta a inundar de vermelho os principais índices.

Após ganhos modestos na sessão anterior, a bolsa de Lisboa volta a mergulhar no vermelho. O PSI-20 recua em linha com os pares europeus, num dia em que os receios sobre a pandemia voltam a marcar o sentimento dos investidores. Por Lisboa, Galp Energia e BCP exercem a maior pressão.

O PSI-20 desvaloriza 0,3%, para os 3.981,76 pontos, com a maioria dos seus 18 títulos em terreno negativo. O Stoxx 600, índice de referência para as ações europeias, desliza 0,2%.

“Os investidores permanecerão vigilantes em relação aos efeitos económicos da pandemia e à sua difusão e combate”, diz o BPI no seu diário de bolsa, relativamente ao rumo esperado para as ações europeias nesta sexta-feira.

A progressão da pandemia já levou a que se registem já um milhão de infetados em todo o mundo, enquanto a economia dos EUA também dá sinais de preocupação. Na quinta-feira, foi divulgado que perto de dez milhões de pessoas perderam o emprego naquele país nas últimas duas semanas.

Por cá, a Galp é um dos títulos que mais pressiona o comportamento do índice PSI-20. As suas ações recuam 1,85%, para os 10,29 euros, corrigindo da valorização de quase 3% registada na sessão anterior, dia em que o petróleo disparou face à perspetiva de um acordo entre a Rússia e a Arábia Saudita com vista a um corte concertado da produção da matéria-prima. Entretanto, Putin negou já haver um acordo nesse sentido.

Nesta sexta-feira, as cotações do “ouro negro” seguem em sentidos inversos nos dois lados do Atlântico. Enquanto o barril de brent londrino valoriza 1,6%, estando já acima dos 30 dólares, nos 30,42 dólares, o crude norte-americano cai 2,17%, para os 21,77 dólares.

Também o BCP se destaca entre as maiores quedas do PSI-20. As ações do banco liderado por Miguel Maya recuam 2,02%, para os 9,21 cêntimos. Já os CTT perdem 1,53%, para os 2,255 euros por ação.

(Notícia atualizada às 8h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Galp e BCP arrastam bolsa de Lisboa para o vermelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião