Lusitania e Willis lideram em receitas de seguros junto do SNS

  • António Ferreira
  • 5 Abril 2020

Fidelidade protege equipas do INEM, Generali segura os SUCH e a Lusitania o Hospital de São João. Com o setor da saúde sob pressão extrema, saiba como, onde e, por quanto estão as seguradoras.

Os 30 operadores de seguros com maior volume de negócio no setor público da saúde, incluindo entidades do setor público empresarial, são agora revelados por ECOseguros após consulta à base de dados governamental que ilustra as escolhas públicas e de outras entidades ligadas ao Estado na área mais em foco durante a pandemia. Também uma listagem dos maiores contratos existentes, quem os detém, quem são os clientes e quanto valem são divulgados.

Entre 2018 e 2020 foram contratualizados, pelas 30 maiores operadoras no mercado do Serviço Nacional de Saúde (SNS), mais de 26 milhões de euros em seguros atualmente em vigor. As seis maiores carteiras em valor representam 80% do montante contratualizado com entidades que integram o sistema de saúde. Essas seis carteiras representam perto de 21 milhões de euros, salientando-se a Lusitania em montante agregado e maior carteira (número de contratos), enquanto a Luso Atlântica se destaca por faturar num único contrato cerca do 10% do total global.

Ranking seguradoras: maiores carteiras na Saúde

ECOseguros recolheu e tratou informação do portal base.gov.pt para identificar adjudicantes do setor público de saúde (hospitais, unidades regionais e locais de saúde e outros organismos que integram o SNS) e adjudicatários (seguradoras, corretoras e mediadoras) participantes em contratos por ramos de seguro, valores, cronologia e duração dos procedimentos.

Os procedimentos de contratação identificados visam a compra de seguros por lotes, subscrição de apólices e ou simples adjudicação de serviços nos mais diversos ramos (acidentes pessoais e de trabalho, responsabilidade civil, multirriscos, maquinaria, transportes, seguro escolar, etc.). Como se verá adiante, para os funcionários que agora estão ‘na linha da frente’ do combate à pandemia – um risco improvável na altura dos contratos -, as coberturas não vão além do seguro obrigatório (acidentes de trabalho).

Abordando dados relativos a número de contratos por seguradora; entidades adjudicantes; cobertura contratada e tipo de procedimento; valor das apólices, também se conclui que, por um lado, alguns hospitais de referência e organismos mobilizados no combate à covid-19 são parte nos contratos de seguro de valor mais elevado.

Restringindo a análise aos estabelecimentos e entidades mais representativos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), ECOseguros construiu uma amostra – igualmente ordenada por montantes dos contratos – mas agora identificando também entidades adjudicantes nos 20 contratos de maior valor, incluindo-se ramos ou categorias de seguro contratados e a distribuição geográfica do procedimento.

Willis tem o maior contrato: 6 milhões de euros

Enquanto a corretora Willis lidera com o contrato de maior valor, a Lusitania figura em nove dos 20 de montante mais elevado.

Por outro lado, o quadro em cima mostra que funcionários de organismos críticos como o INEM, que acodem a situações de emergência, e os SUCH, que lidam com resíduos e descartáveis de risco nos hospitais, estão entre os profissionais do SNS com proteção de seguros que, na maioria dos casos, vão pouco além de coberturas para acidentes pessoais e de trabalho (por lei, são seguros obrigatórios).

De acordo com dados preliminares anunciados pelo Ministério da Saúde, até ao momento desta edição, mais de 1330 profissionais de saúde, incluindo médicos, enfermeiros, auxiliares de saúde e outros técnicos já foram infetados pela doença. De acordo com a ministra Marta Temido, a informação disponível ainda não desagrega o pessoal do Serviço Nacional de Saúde e de todo o sistema de saúde.

Este ‘quem, como, onde e por quanto’ estão as seguradoras no sistema público de saúde proporciona um panorama de consulta rápida aos contratos em vigor e sua distribuição pelos operadores. Partindo de universo inicial contando milhares de registos na órbita de ‘seguros’ no portal de contratos públicos online, os dados foram filtrados e afinados, para selecionar as entidades operacionais de maior visibilidade no sistema nacional de saúde, cobrindo os últimos três anos, até tornar possível tratar 30 a 50 contratos de maior valor e ainda em vigor.

Algumas entidades do SNS estarão excluídas dos resultados apresentados, por razões diversas. Esse aspeto (assim como contratos expirados nos últimos cinco meses) não limita o retrato e dinâmica concorrencial da indústria seguradora junto do sistema nacional de saúde.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lusitania e Willis lideram em receitas de seguros junto do SNS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião