Revista de imprensa internacional

Japão lança pacote de estímulos de um bilião de dólares, enquanto a França conclui que 35% da atividade desapareceu. EasyJet obtém empréstimo de 680 milhões para combater efeitos do Covid-19.

A epidemia do novo coronavírus continua a marcar a atualidade e vários países e empresas tentam minimizar o impacto do Covid-19 que já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, anunciou um pacote económico de 108 biliões de ienes (um bilião de dólares), o que equivalente a 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do Japão, enquanto os economistas franceses chegaram a um resultado dramático: 35% da atividade económica no país desapareceu com a pandemia. A EasyJet obteve empréstimo de 680 milhões de euros e a Airbnb angaria mais de 940 milhões junto de novos investidores.

The Guadian

EasyJet pede empréstimo de 680 milhões para combater efeitos do Covid-19

A EasyJet pediu um empréstimo de 600 milhões de libras (cerca de 680 milhões de euros) do fundo de emergência do “Treasury and Bank of England” para fazer face aos prejuízos provocados pelo coronavírus. Com a frota imobilizada pelo menos durante os meses de abril e maio, a companhia aérea afirmou que iria pedir mais 500 milhões de dólares emprestados a credores comerciais para assegurar a sua liquidez.

Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

Bloomberg

França reinventa cálculo da economia. E descobre que 35% da atividade desapareceu

O gabinete de estatísticas de França adotou uma nova abordagem no cálculo da economia para perceber o impacto do coronavírus. O diretor Jean-Luc Tavernir instruiu os seus colegas para analisarem os dados de utilização do cartão de crédito, cujas transações permitiram acompanhar o rasto do comportamento dos consumidores e das empresas. Os economistas franceses chegaram a um resultado dramático: 35% da atividade económica no país desapareceu com a pandemia.

Leia a notícia completa no Bloomberg (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Times

Airbnb angaria mil milhões de dólares de novos investidores

A Airbnb angariou mil milhões de dólares (942,49 milhões de euros) em dívida e capital próprio junto de novos investidores. Foram as empresas de investimento privadoSilver Lake e Sixth Street que injetaram capital para ajudar plataforma de alojamento turístico a resistir à recessão provocada pelo Covid-19. “Embora o ambiente atual seja claramente difícil para a indústria hoteleira, o desejo de viajar e de ter experiências autênticas é fundamental e duradouro”, afirmou Egon Durban, co-presidente da Silver Lake, numa declaração em que anunciava o acordo.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso pago, conteúdo em inglês).

Reuters

Japão lança pacote de estímulos de 1 bilião de dólares

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, que declarou estado de emergência no país, anunciou um pacote económico de 108 biliões de ienes (um bilião de dólares), o que equivalente a 20% do PIB do Japão. Este valor excede 11% do pacote de estímulos estabelecido pelo presidente Donald Trump para os EUA e em 5% para a Alemanha.

Leia a notícia completa na Reuters ( acesso livre, conteúdo em inglês)

Penta

Multimilionários perdem 408 mil milhões de dólares em dois meses

Entre os milionários da “Hurun Global Rich List” 2020 divulgados em fevereiro, apenas 9% viram a sua riqueza aumentar nos últimos dois meses, 86% viram a sua riqueza diminuir e 5% mantiveram o seu património. Em apenas dois meses, a pandemia do Covid-19 arrasou um total de 408 mil milhões de dólares do “World’s top 100 billionaires”, tendo o chefe executivo da LVMH, Bernard Arnault, sofrido a maior perda, de 30 mil milhões de dólares, de acordo com um relatório do Hurun divulgado segunda-feira.

Leia a notícia completa no Penta acesso livre, conteúdo em inglês).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião