Estado pode emprestar 1,6 mil milhões a fundo perdido nas linhas de crédito Covid-19

Estado vai poder perdoar parte da dívida das empresas no âmbito das novas linhas de crédito de 13 mil milhões de euros, através da conversão de até 1,6 mil milhões em subsídios a fundo perdido.

O Estado vai poder oferecer um perdão parcial de dívida às empresas que recorrerem às linhas crédito criadas reduzir os efeitos da pandemia do coronavírus na economia nacional. Este “perdão” passa pela conversão de parte da dívida num subsídio a fundo perdido. Dos 13 mil milhões de euros que Bruxelas autorizou Portugal mobilizar em linhas de crédito, 1,6 mil milhões de euros serão destinados a um sistema de garantias de Estado diretas.

Esta solução já tinha sido defendida pelo presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) numa carta endereçada ao primeiro-ministro, mas a medida não tem o nível de ambição que António Saraiva defendia. O objetivo da CIP era atingir 20 mil milhões de euros em apoios a fundo perdido. Mas na notificação o valor que ficou inscrito foi 1,6 mil milhões. De forma simplificada isto significa que, em vez de oferecerem as garantias diretamente às empresas, opta-se por lhes reduzir os valores em dívida aos bancos que, em caso de incumprimento, seriam sempre cobertos pelas garantias do Estado, através do Sistema de Garantia Mútua.

A medida ainda não está em vigor e as regras permitem que o sistema seja montado até 31 de dezembro deste ano. Aliás, o ministro da Economia já tinha deixado claro, em entrevista à TSF, que as novas linhas que estavam a ser negociadas com Bruxelas seriam postas à disposição da economia à medida que as necessidades se apresentassem.

Outras das novidades que o novo pacote de medidas introduz é que passam a poder beneficiar todos os setores de atividade, mas também as grandes empresas, e não apenas as micro, pequenas e médias empresas, small e mid cap. “Os beneficiários finais das medidas têm atividade em Portugal, independentemente da sua dimensão”, mas claro continua vedado o apoio às instituições financeiras. Mas é através delas que as medidas chegam à economia. “A ajuda é concedida diretamente ou através das instituições de crédito e outras instituições financeiras que atuem como intermediários financeiros”, pode ler-se ainda no texto da notificação.

E com a possibilidade de as grandes empresas também acederem a estas linhas, foi criado um preço específico para elas usufruírem da garantia mútua. Bruxelas manteve a sua intransigência para que os juros não sejam bonificados e a exigir que a garantia mútua cubra apenas uma parte do empréstimo (80 ou 90% do total). A comissão de garantia é calculada sobre o valor em dívida, sendo que para empréstimos superiores a um ano, a percentagem a aplicar aumenta gradualmente ao longo da vigência da garantia.

Para as PME, durante o primeiro ano a percentagem é 0,25, sobe para 0,5% durante o segundo e terceiro ano da vigência da garantia e para 1% durante o quarto e sexto ano do crédito. Estes montantes agravam-se para 0,35%, 1% e 2%, respetivamente, para as grandes empresas, quando a cobertura é a 90%. Se for de 80% desce ligeiramente. De sublinhar que as linhas atualmente em vigor têm uma duração máxima de quatro anos, mas a Comissão autoriza a que a duração máxima se possa estender a seis.

No âmbito do novo pacote de medidas é ainda fixado que o montante máximo de ajuda é de 800 mil euros por empresa, mas para as empresas que operam ao nível das pescas e da aquacultura esse valor desce para 120 mil euros e para 100 mil euros no caso das empresas agrícolas e do setor primário. Por outro lado, continuam a existir regras que impedem a acumulação de apoios, quer eles sejam concedidos exclusivamente por recursos do Estado português ou, parcialmente, pela Comissão Europeia.

Na notificação publicada a 4 de abril repetem-se limitações como o facto de os empréstimos não poderem exceder “o dobro da massa salarial anual do cliente em 2019 ou no último ano disponível (incluindo encargos sociais, os custos com o pessoal que trabalha nas instalações da empresa, mas que, formalmente, consta da folha de pagamentos de subcontratantes). No caso de empresas criadas em, ou após, 1 de janeiro de 2019, o montante máximo do empréstimo não pode exceder a massa salarial anual dos dois primeiros anos de exploração; ou 25 % do volume de negócios total do cliente em 2019; ou em casos devidamente justificados e com base num plano que estabeleça as necessidades de liquidez do beneficiário, o montante do empréstimo pode ser aumentado para cobrir as necessidades de liquidez a partir do momento em que é concedido para os próximos 18 meses no caso de PME, e para os próximos 12 meses no caso das grandes empresas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estado pode emprestar 1,6 mil milhões a fundo perdido nas linhas de crédito Covid-19

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião