Juncker: Bloqueio dos coronabonds pela Holanda é “irresponsável”

  • Lusa
  • 9 Abril 2020

Para Juncker, a inflexibilidade da Holanda ainda é mais incompreensível, já que "o MES não será suficiente para relançar" as economias europeias.

O antigo presidente da Comissão Europeia Jean-Claude Juncker considerou esta quinta-feira ser “irresponsável” o bloqueio pela Holanda de uma resposta económica europeia concertada e solidária face à pandemia, precisando que qualquer mutualização das dívidas só poderia ser considerada em dívidas futuras.

Bloquear o uso do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE) “porque nos apegamos teimosa, ideológica e religiosamente à adoção de severos condicionalismos é irresponsável“, disse Juncker numa entrevista ao jornal francês Liberation.

Na manhã de quarta-feira, depois de 16 horas de debates, Haia foi unanimemente apontada pela sua inflexibilidade, por dificultar qualquer perspetiva de acordo sobre uma ativação incondicional deste fundo europeu MEE, criado em 2012 para os Estados em dificuldade.

Para Juncker, a inflexibilidade da Holanda ainda é mais incompreensível, já que “o MEE não será suficiente para relançar” as economias europeias. Para relançar as economias europeias, o ex-presidente da Comissão defende a criação de uma capacidade de endividamento europeia, em torno da emissão dos “coronabonds”.

“Em dezembro de 2010, como presidente do Eurogrupo, propus a criação de ‘eurobonds’ para que todos os membros da zona euro beneficiassem da mesma taxa de juro. Mas precisamos de fazer a diferença com os ‘coronabonds’: não se trata de mutualizar as dívidas nacionais do passado, uma ideia contra a qual se levantou metade da Europa, mas de mutualizar a dívida que surgirá da criação de meios orçamentais necessários para responder à crise do coronavírus “, disse Juncker.

“Trata-se de organizar solidariamente esse financiamento da crise atual, combinando os diferentes instrumentos: Banco Europeu de Investimento, MES, orçamento europeu e finalmente os ‘coronabonds'”, acrescentou.

Depois de o seu antecessor Jacques Delors, que viu em 28 de março um “perigo mortal” para a União Europeia, se não estiver mais unida diante da crise, Juncker aponta “um risco de que os países do sul se afastem do projeto europeu, se a União não souber reagir com a onda de solidariedade que deveria”.

“O discurso da Holanda consiste em dizer que não têm que pagar as dívidas dos outros: mas não se trata de pagar as dívidas dos outros do passado, mas de organizar o financiamento futuro dos custos da crise“, acrescentou Juncker.

Por outro lado, Juncker considera “curiosas, erradas e escandalosas” as palavras do ministro das Finanças holandês Wopke Hoekstra “que pediu uma auditoria das políticas orçamentais dos países do sul”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juncker: Bloqueio dos coronabonds pela Holanda é “irresponsável”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião