Pandemia pode provocar mais 500 milhões de pobres

  • Lusa
  • 9 Abril 2020

Sem sistemas de proteção social, os países mais pobres vão ser os mais afetados, tal como as populações com menos recursos, designadamente as mulheres.

A organização não-governamental (ONG) Oxfam diz que a pandemia do novo coronavirus pode colocar mais de 500 milhões de pessoas em situação de pobreza, na ausência de medidas de apoio aos países mais desmunidos.

No relatório intitulado “O Preço da Dignidade”, a Oxfam indicou que entre seis a oito por cento da população mundial podem cair na pobreza, devido à paragem das economias para controlar a propagação do vírus.

“Isto pode significar à escala mundial um recuo de 10 anos na luta contra a pobreza e um recuo de 30 anos em certas regiões, como a África subsariana, o Médio Oriente ou a África do Norte”, com mais de metade da população mundial ameaçada de cair em situação de pobreza após a pandemia, acrescentou a ONG.

O aviso da Oxfam foi divulgado antes das reuniões, previstas para este mês, do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, bem como os ministros das Finanças do G-20, que se vão desenrolar de forma digital.

Sem sistemas de proteção social, os países mais pobres vão ser os mais afetados, tal como as populações com menos recursos, designadamente as mulheres.

Para evitar estes cenários, a Oxfam recomendou a atribuição de uma ajuda financeira direta às pessoas mais afetadas, um apoio prioritário às pequenas empresas e o condicionamento da ajuda financeira às maiores a medidas que tomem em favor das populações favoráveis.

A Oxfam defendeu também a anulação este ano dos reembolsos da dívida por parte dos países mais pobres, citando o exemplo do Gana, que poderia “fornecer 20 dólares por mês a cada um das suas 16 milhões de crianças, pessoas com limitações e pessoas idosas do pais durante seis meses”, se fosse libertado dos prazos de pagamento da dívida.

Entre as outras recomendações da Oxfam estão o aumento dos recursos do FMI para lhe permitir ajudar os países mais pobres, o aumento imediato da ajuda pública ao desenvolvimento dos países dadores e a criação urgente de impostos de solidariedade sobre os lucros extraordinários, as maiores fortunas, os produtos financeiros especulativos e as atividades com um impacto negativo sobre o ambiente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia pode provocar mais 500 milhões de pobres

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião