Rio explica que qualquer Governo vai ser de salvação nacional

O presidente do PSD explicou que qualquer que seja o próximo Governo será de "salvação nacional" devido ao estado em que a atual crise pandémica vai deixar a economia portuguesa.

O presidente do PSD explicou as afirmações que fez há dias sobre um “Governo de salvação nacional”. Em entrevista à SIC, Rui Rio esclareceu que qualquer que seja o próximo Governo será de “salvação nacional” devido à “situação económica difícil” em que o país vai ficar. O social-democrata mostrou ainda abertura para a aprovação de um Orçamento Suplementar, mas sublinhou que o PSD “não votará a favor de tudo”.

“O que estou a pensar quando falo em Governo de salvação nacional não é em formas de Governo, mas na palavra portuguesa que significa salvação”, disse Rui Rio, em declarações por videoconferência no Jornal da Noite da SIC. E continuou a explicação: “O Governo que estiver em funções vai ser um Governo de salvação nacional, porque Portugal vai ficar numa situação económica tão difícil que a lógica de governação a seguir [a esta crise] será de salvação nacional“.

O social-democrata referiu que, nesta altura, “é muito difícil antever o que vai acontecer e a situação económica e social em que o país vai estar”. Mas que “o mais prudente, inteligente e com mais bom senso é não tentar desenhar cenários”. Sublinhando a ideia de que não é fácil antever o futuro, Rui Rio admitiu, contudo, que “vai ser numa lógica de reequilíbrio e de relançamento da economia como um todo”. Vai ser uma “tarefa muito grande”.

Latitude para aprovar Orçamento suplementar é “muito grande”

O presidente do PSD foi também confrontado com a hipótese de ser necessário um Orçamento Suplementar, mostrando abertura do partido para essa aprovação, tal como já tinha referido anteriormente. “Naturalmente que estou disponível [para aprovar], disse. Contudo, deixou avisos. “Não quero dizer que o Governo pode apresentar o Orçamento Suplementar que entender e que o PSD está às ordens e votará a favor de tudo. Terei de conhecer, mas a latitude para aprovar é muito grande”, disse o líder dos social-democratas.

Rui Rio antecipou ainda que os próximos Orçamentos do Estado, “de 2021, 2022 e 2023” “vão ser muito condicionados por aquilo que estamos a passar”. O líder do PSD referiu que quanto mais tempo durar este estado de emergência e as medidas de contenção impostas aos portugueses, “mais longa vai ser a recessão e mais difícil vai ser a recuperação”.

Nesse sentido, reiterou que, enquanto líder da oposição, tem “consciência” do cenário em que está Portugal e que um líder da oposição “não deve criar dificuldades ao país apenas para criar dificuldades ao Governo”, referindo-se ainda à aprovação de um Orçamento Suplementar. “Não vamos aceitar tudo. Vamos ser críticos, mas a latitude é muito grande”, voltou a referir.

Coronabonds “não são muito necessárias para responder à liquidez necessária”

E como o Eurogrupo chegou a um acordo sobre a resposta económica a dar a esta crise enquanto a entrevista decorria, Rui Rio aproveitou ainda para comentar as tão faladas coronabonds. “As coronabonds não são muito necessárias para responder à liquidez necessária”, disse o social-democrata, referindo que o importante é haver “financiamento às economias da União Europeia (UE)”.

“Não é importante que se chame coronabonds ou lá o que é. É preciso que haja financiamento às economias da UE porque, se não houver por via da UE, países como Portugal e Itália, se são largados no mercado, as taxas de juro sobem de forma brutal”, disse, acrescentando que “é fundamental que a Europa tenha condições financeiras para se financiar como um todo e, particularmente, aqueles países como mais dificuldades”.

“É fundamental que a solução seja europeia, sob pena de se agravarem ainda mais as desigualdades entre países que hoje já existem”, rematou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rio explica que qualquer Governo vai ser de salvação nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião