Governo estuda plano para começar a reabrir comércio em maio

  • ECO
  • 10 Abril 2020

O primeiro-ministro vai começar a delinear na próxima semana um plano para começar a reabrir o comércio em maio, de forma gradual.

António Costa, primeiro-ministro, vai reunir na terça-feira com economistas e responsáveis do Instituto Nacional de Estatística, Conselho de Finanças Públicas, Banco de Portugal, ISEG e Universidade Católica, para medir o pulso à economia. A notícia foi avançada pelo Expresso (acesso pago), que indica que o objetivo é perceber quais as atividades de comércio e que tipos de serviços poderão reabrir em maio, e começar a delinear um plano.

Além disso, da reunião semanal do Governo com especialistas em saúde pública, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, espera ouvir a notícia de que não se justifica pensar numa quarta renovação do estado de emergência já em maio. No entanto, o Público (acesso condicionado) noticia também, esta sexta-feira, que o Governo admite o prolongamento do estado de emergência até 15 de maio, o que implicaria, pelo menos, mais dois prolongamentos da situação atual.

Segundo o Expresso, se o cenário epidemiológico for favorável, a intensão dos órgãos de soberania é a de retomarem gradualmente a atividade económica a partir do fim deste mês, já sem estado de emergência. Ainda assim, o semanário salienta que alguns especialistas em saúde pública já ponderaram um alargamento do estado de emergência num quarto decreto presidencial, ainda que tal não esteja nas agendas do Presidente e do chefe do Governo.

Já o Público escreve que o Governo tem em cima da mesa vários cenários sobre quando poderá ser levantado o estado atual e uma interpretação menos otimista e mais prudente do que a do Presidente da República, que disse esta semana que “se queremos ganhar a liberdade em maio, temos de a conquistar em abril”.

(Notícia atualizada às 11h48 com mais informações)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo estuda plano para começar a reabrir comércio em maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião