Casinos do grupo Estoril Sol entram em lay-off

  • Lusa
  • 12 Abril 2020

O grupo Estoril Sol detém casinos no Estoril (Cascais), em Lisboa e na Póvoa de Varzim, e todos estão encerrados desde 14 de março. A empresa recorreu agora ao regime de lay-off simplificado.

Os três casinos do grupo Estoril Sol vão continuar encerrados e entrar em lay-off, na sequência do estado de emergência devido à doença Covid-19, revelou o grupo empresarial este sábado.

Em comunicado enviado à CMVM, o grupo Estoril Sol explica que decidiu aplicar o “lay-off simplicado”, com a “suspensão temporária dos contratos de trabalho ou a redução dos tempos de trabalho da grande maioria dos trabalhadores”.

A concessionária de jogo refere que recorreu a esta medida, prevista num despacho do Governo de 26 de março passado, pela “incerteza quanto à evolução da pandemia, sua duração e impacto nas perspetivas económicas dos negócios de base territorial do Grupo Estoril Sol”.

O grupo Estoril Sol detém casinos no Estoril (Cascais), em Lisboa e na Póvoa de Varzim, e todos estão encerrados desde 14 de março. Mantêm-se em atividade “as operações online do grupo, nomeadamente as licenças de jogos de fortuna ou azar e de apostas desportivas propriedade da Estoril Sol Digital”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia do Covid-19, já provocou mais de 103 mil mortos e infetou mais de 1,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infeção, mais de 341 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito no sábado pela Direção-Geral da Saúde, registam-se 470 mortos e 15.987 casos de infeção confirmados. Portugal encontra-se em estado de emergência desde de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Casinos do grupo Estoril Sol entram em lay-off

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião