Bolsa de Lisboa acompanha rally europeu. Petróleo afunda, mas Galp dispara 4%

O PSI-20 valorizou em torno de 1,5%, atrás de ganhos que chegaram aos 3% na Europa, com a Galp a dar mais gás ao índice bolsista lisboeta.

A bolsa de Lisboa encerrou com o “pé direito” a última sessão da semana, acompanhando o rally europeu, com os investidores animados face aos sinais que apontam para uma reabertura gradual das economias em plena crise de pandemia Covid-19. O índice PSI-20 somou em torno de 1,5%, atrás de disparos que chegaram a 3% em alguns pares, suportado pelo disparo de 4% da petrolífera Galp que não acompanha o mergulho dos preços do petróleo.

O PSI-20 valorizou 1,59%, para os 4.172,21 pontos, com apenas três dos seus 18 títulos em terreno negativo. Na Europa, o Stoxx 600 — índice que agrega as 600 principais capitalizações bolsistas do Velho Continente — somou 2,4%. Mas os ganhos chegaram aos 3% para o DAX alemão e o CAC 40 francês.

A toada de fortes ganhos registados nas bolsas europeias acontece apesar dos dados desapontantes revelados sobre a economia chinesa. Mas nem todos foram negativos. A produção industrial chinesa caiu apenas 1,0%, “na medida que no início do mês as fábricas começaram a operar e as que reuniram condições conseguiram recuperar uma parte do tempo perdido durante o encerramento forçado”, como refere o BPI no seu comentário de fecho de sessão. Tal ajuda a elevar o sentimento dos investidores, numa altura em que diversas economias europeias começam a de forma gradual retomar atividade.

A notícia positiva relativa a um tratamento para o Covid-19 também deu fôlego aos mercados. A CNBC deu conta que a Gilead, uma empresa farmacêutica americana, está a testar em pacientes a tratamento para o Covid-19, com resultados animadores. Foram 125 os pacientes submetidos ao tratamento, dos quais 113 em estado considerado grave, tendo a grande maioria recuperado apenas numa semana.

Por Lisboa, a Galp foi a cotada que mais energia eu ao índice PSI-20. As ações da petrolífera dispararam 3,93%, para os 9,626 euros, e em contraciclo com as cotações do petróleo que voltaram a mergulhar em Nova Iorque perante os dados económicos negativos por parte da segunda maior economia do mundo: a China.

Galp Energia acelera em bolsa

As cotações do “ouro negro” tombavam 8,2% no mercado norte-americano com o barril do crude a transacionar nos 18,24 dólares. Essa quebra não era, contudo, acompanhada pelo brent londrino, com o preço do barril da matéria que serve de referência para as importações nacionais, a somar 2,3%, para os 28,46 dólares.

Também o BCP deu fôlego ao índice bolsista lisboeta, com as suas ações a ganharem 2,71%, para os 9,85 cêntimos. Próximo deste valor foi também o avanço dos títulos da Sonae que somaram 2,84%, para os 66,95 cêntimos.

(Notícia atualizada às 17h15)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Lisboa acompanha rally europeu. Petróleo afunda, mas Galp dispara 4%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião