EDP não baixa preço da eletricidade para já. Descontos nas faturas só com produtos extra

O CEO da EDP diz que a elétrica já tem tarifas no mercado que "permitem descontos superiores à recente redução da tarifa regulada" em 3% decidida pela ERSE.

Os preços da eletricidade estão a descer nos mercados grossistas, mas António Mexia, CEO da EDP, não confirma que o mesmo possa acontecer, pelo menos para já, com as tarifas de energia cobradas aos seus clientes domésticos e empresariais. Recentemente, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) avançou com uma redução de 3% no preço da luz para o mercado regulado.

Esta revisão extraordinária foi justificada por uma queda no valor da energia elétrica nos mercados grossistas de quase 14 euros por MWh — de um valor de 58,45 euros/MWh, considerado para os cálculos da tarifa de 2020, para estimativas mais recentes de um preço médio de 44,77 euros/MWh —, o que motivou o regulador a cortar 5 euros por MWh às tarifas do mercado regulado.

No mercado liberalizado, critica a Deco, há ainda que “esperar que os comercializadores resolvam beneficiar os consumidores, por adquirirem a eletricidade a um preço mais baixo no mercado grossista”.

Questionado sobre se a EDP está a ponderar baixar os preços da energia que vende aos clientes, em linha com o que está a acontecer nos mercados grossistas, Mexia disse apenas que a elétrica já tem tarifas no mercado que “permitem descontos superiores à recente redução da tarifa regulada”. No entanto, para aceder a estes descontos (que a empresa entretanto aumentou em cerca de dois pontos percentuais, até um máximo de 10%) os clientes têm de contratar serviços adicionais e pagar um valor fixo mensal que acresce à fatura.

Quanto à possibilidade de uma descida de preços no futuro, Mexia deixa em aberto: “Funcionar num mercado competitivo implica obviamente incorporar aquilo que são as descidas, ou evoluções, normais daquilo que é o mercado grossista. Faz parte. Mas relembremos que o mercado grossista corresponde apenas a uma parte da fatura energética”, disse o CEO da EDP em resposta a uma questão do ECO na conferência de imprensa que se seguiu à assembleia geral de acionistas (realizada por videoconferência).

“Nas descidas dos preços para clientes, o que está em causa é um mercado competitivo onde a EDP tem hoje, e já deixámos isso bem claro, ofertas que permitem descontos superiores à recente redução da tarifa regulada — muitas vezes de 10%, 4%, temos várias ofertas”, disse ainda Mexia, acrescentando: “Estamos comprometidos com o fornecimento de energia e com a capacidade de darmos flexibilidade no pagamento a quem foi afetado e possa, entre seis e 12 meses, sem juros, poder regularizar a sua situação, sem problemas. Fomos os primeiros a fazê-lo, muito antes de outros setores terem seguido isso”.

Para já, garante, os descontos diretos nos preços da energia são apenas para os profissionais de saúde (-20% na fatura, durante dois meses) e para instituições de apoio aos mais vulneráveis, somando-se ainda a oferta de energia por parte da EDP a todos os hotéis que foram convertidos em hospitais ou albergam profissionais de saúde durante o estado de emergência decretado por causa da pandemia de Covid-19. Em marcha a EDP tem um programa de ajuda à comunidade com mais de 50 iniciativas e mais de 11 milhões de euros de ajuda, desde a compra de equipamento até à ajuda às escolas.

“Mantivemos a totalidade dos compromissos com os nossos stakeholders: colaboradores, clientes, fornecedores. Mantivemos o volume de investimento em Portugal, a cadeia de valor, o plano de novas contratações até 2022: mais 700 pessoas, metade em Portugal. Não tenhamos ilusões: o essencial é manter também o emprego”, salientou Mexia.

Quanto ao impacto do Covid-19 nas contas da EDP, para já a empresa viu apenas um redução de 1,1% no consumo de energia, mas o CEO lembra que março ainda foi apenas o início e que, em abril, os efeitos do isolamento já se farão sentir. “Ainda é cedo para perceber qual o impacto para o ano”, acrescentou.

“Em Portugal, e apenas no mês de março o volume de eletricidade distribuído em Portugal caiu 1,1%. Mas foi apenas o início, com os pequenos negócios a reduzir o seu consumo em mais de 10% e os consumidores domésticos com um ligeiro aumento. A quarentena só se iniciou na segunda quinzena de março e por isso em abril já veremos outros resultados. É verdade que o impacto foi maior na atividade no Brasil do que em Portugal. Aliás, isso é visível pelos dados operacionais, no consumo. Na geração, pela percentagem de renováveis e coberturas de mercado, tem a ver mais com a utilização dos recursos do que com a procura. Temos de separar nós enquanto oferta e os nossos clientes, e o sistema como um todo. Ainda temos apenas uma redução de apenas 1,1% no mês de março, mas obviamente será maior no mês de abril”, rematou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP não baixa preço da eletricidade para já. Descontos nas faturas só com produtos extra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião