PSA Mangualde sem data para retoma da atividade

  • Lusa
  • 21 Abril 2020

Data de reabertura será articulada em diálogo com a representação dos trabalhadores e terá de ter também em consideração o nível de liberdade que o Governo e as autoridades permitirem às empresas.

O centro de produção de Mangualde do grupo PSA admitiu esta terça-feira que está dependente da “liberalização” do Governo para retomar a atividade e, entretanto, já tem a fábrica com regras de segurança para o regresso dos colaboradores.

“[A fábrica] Oferece um elevado nível de proteção aos nossos colaboradores, portanto, neste momento, estamos preparados, embora a data de retoma, nesta fase, ainda não esteja definida”, assumiu o diretor de comunicação do grupo PSA em Portugal.

Jorge Magalhães explicou que a data será “articulada em diálogo com a representação dos trabalhadores e terá de ter também em consideração o nível de liberdade que o Governo e as autoridades permitirem às empresas retomarem, não apenas a produção industrial e a atividade industrial, mas também a atividade comercial”.

O diretor de comunicação falava aos jornalistas após uma visita guiada pela fábrica para mostrar as “mais de 100 medidas implementadas” pelo grupo e que fazem parte de um “protocolo reforçado de segurança e proteção” dos trabalhadores.

Medidas que se sentem à chegada, uma vez que “ninguém entra sem que lhe seja medida a temperatura” e, nesta fase, “não há visitas à fábrica nem reuniões presenciais, assim como também estão suspensos os ‘briefings’ matinais”.

“Se a pessoa acusar mais do que 37,5 graus de temperatura, já não entra, explicou o enfermeiro da fábrica, enquanto media a temperatura corporal, e no interior “há três salas de isolamento para a eventualidade de haver alguém com algum sintoma da covid-19, para que fique isolado e entre em contacto com a linha da Saúde 24”.

As medidas, explicou Jorge Magalhães, “foram elaboradas, inclusivamente, com a colaboração e o contributo da representação dos trabalhadores e as autoridades de saúde”, e todas elas “foram implementadas e auditadas pelo grupo PSA e pela Direção Geral da Saúde” e, por isso, defendeu que estão preparados para o regresso à atividade.

“Nós esperamos que retome o quanto antes. Obviamente, quanto mais tempo demorar a retoma, mais impactos teremos ao nível económico, social, de exportações, portanto, toda a atividade industrial do país. O nosso desejo é retomar a atividade o quanto antes”, afirmou.

Impactos esses que, “atualmente, são muito difíceis de prever”, uma vez que a fábrica está fechada desde o dia 18 de março e a retoma vai acontecer de forma “gradual e faseada” e, neste sentido, o diretor de comunicação lembrou que o centro de produção tinha uma produção de “375 viaturas diariamente”.

No regresso, admitiu, as medidas “vão seguramente condicionar” a produção e, por isso, quando acontecer a retoma da atividade, ela “será progressiva e gradual”, o que significa que a fábrica “não vai iniciar a 100%”.

“Teremos equipas mais reduzidas de trabalhadores a laborar, por numa questão de segurança, ajustaremos passo a passo e de forma segura todos os momentos até termos o contexto para termos a fábrica que possa funcionar em pleno”, explicou.

No entender de Jorge Magalhães, “há três grandes razões” para assegurar a plena atividade e a primeira passa pela “proteção das equipas e a esse nível está assegurado, um segundo nível é a possibilidade de vender e comercializar os automóveis” produzidos na fábrica e, por fim, “e essa estará assegurada no momento da retoma da produção, que é a cadeia dos abastecimentos e aprovisionamentos”.

Durante a visita, o responsável pelo setor de montagem e logística operacional explicou que a cantina está com o acesso limitado, há espaçamento entre os utilizadores, ninguém come de frente para ninguém, e as mesas têm papel e desinfetante para que os colaboradores desinfetam antes e depois de usarem.

O serviço da cantina está fechado, os colaboradores terão de trazer a comida de casa e reforçámos as equipas de limpeza que de duas em duas horas vão desinfetar os locais. Também passámos de duas pausas por turno, para oito, porque assim é possível parar de hora a hora para desinfetar mãos e equipamento”, explicou Ricardo Batista.

A fábrica está agora “como o código na estrada”, comparou o ‘guia’, ao evidenciar a sinalética no chão entre setas a verde e cruzes a vermelho para indicar as direções a seguir e as cruzes amarelas a marcar os dois metros obrigatórios de afastamento.

Os painéis espalhados por todas as paredes são outra das medidas implementadas pela empresa que tem ao longo dos corredores vários cartazes a relembrar todos os cuidados individuais e doseadores de álcool gel e, junto de cada bancada individual de trabalho, está um borrifador com desinfetante e papel e toda a informação geral e a específica do departamento.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSA Mangualde sem data para retoma da atividade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião