BRANDS' CAPITAL VERDE Engenharia no feminino. Um plano para a igualdade de género

  • BRAND'S CAPITAL VERDE
  • 22 Abril 2020

A igualdade de género é um tema cada vez mais prioritário nas políticas de sustentabilidade social das empresas. REN já tem plano em marcha e acredita que talento não tem género.

Falar de sustentabilidade nas empresas também significa abordar questões sociais, como a dos direitos humanos, das práticas laborais e da discriminação de género.

De acordo com o Índice do EIGE – Instituto Europeu para a Igualdade de Género, Portugal está a progredir mais rápido do que a média dos 27 países da União Europeia. No últimos dados deste índice (2017), que mede o desempenho dos países em matéria de igualdade de género nos domínios do trabalho, rendimento, conhecimento, poder, tempo e saúde, o país ocupa o 16º lugar, contra a 21º posição, em 2015.

São boas notícias. Se olharmos para a distribuição do género nas profissões em áreas como ciências e engenharia, Portugal também surpreende: em 2018, mais de metade dos cientistas e engenheiros portugueses eram mulheres. Isto significa que temos a quarta maior taxa entre os Estados-membros e ficamos 10 pontos acima da média da União Europeia.

Ainda assim, no global dos estados-membros, ainda são os homens a liderar a área das ciências e das engenharias, com um peso de 59% face a 41% das mulheres. E a verdade é que ainda há a perceção de que existem profissões mais “masculinas” do que outras.

Engenharia no feminino

A REN – Redes Energéticas Nacionais assumiu a promoção da diversidade e da igualdade de género como um dos pilares da sua estratégia de sustentabilidade, no âmbito do bem-estar interno.

Desde 2014 que a empresa é membro do iGen – Fórum Organizações para a Igualdade e criou um Plano de Igualdade de Género, que já vai no seu segundo ciclo (2019-2023). Este plano traça um conjunto de medidas englobadas em três eixos estratégicos: Comunicação e Sensibilização Interna; Políticas de Gestão de Recursos Humanos; e Medidas Externas.

Atualmente, a REN conta com cerca de 690 trabalhadores, sendo que 25% são mulheres. Em relação à classe dirigente, 29% são mulheres, contra 71% de homens, o que significa que a REN se posiciona acima do mercado da energia. De acordo com dados da IEA – The International Energy Agency, apenas 22% dos trabalhadores no setor tradicional da energia são mulheres. E os números são ainda mais baixos em cargos de direção

Neste vídeo, a REN apresenta algumas das suas engenheiras e o seu percurso: Raquel Costa, “a primeira mulher a fazer turnos no centro de despacho do gás natural”; Mariana Guerra, “a segunda mulher após 25 anos de operação do Centro de Operação de Rede”; Mónica Olivença, “a terceira mulher a entrar no terminal GNL de Sines”; e Gabriela Madeira, que confessa liderar uma equipa só de homens na REN Portugás. Vale a pena conhecê-las.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Engenharia no feminino. Um plano para a igualdade de género

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião