BCE pode aceitar junk bonds como garantia nos empréstimos aos bancos

  • Lusa
  • 23 Abril 2020

O Banco Central Europeu (BCE) pode vir a aceitar obrigações com notação de "investimento especulativo" como colateral nas operações de empréstimo aos bancos.

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou que pode vir a aceitar junk bonds como garantia nos empréstimos aos bancos. A medida visa não prejudicar a disponibilidade de ativos para servirem de garantias nas operações de injeção de liquidez no sistema financeiro.

No anúncio, detalhou-se que o objetivo destas novas regras é o de apoiar a capacidade dos bancos em conceder crédito, para “continuarem a colocar à disposição recursos financeiros para a economia da zona euro”.

Para um emissor, público ou privado, cuja dívida tivesse uma qualidade suficiente em 7 de abril último, o BCE vai congelar a notação que então se verificava e assim neutralizar, desde já, uma possível explosão de revisões em baixa das notas por parte das agências de rating.

Em concreto, os ativos comercializáveis e os seus emissores que respeitem os requisitos mínimos de qualidade de crédito em 7 de abril de 2020 [BBB – para todos, exceto para os títulos já garantidos por ativos (ABS, na sigla em inglês)], enquanto o seu rating permanecer até dois escalões abaixo dessa referência, correspondente ao nível 5 (BB) na escala europeia harmonizada de notação.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

BCE pode aceitar junk bonds como garantia nos empréstimos aos bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião