Presidente da ERSE mais focada em teletrabalho. “Energia não pode falhar”

Em tempo de estado de emergência em Portugal, decretado pelo Governo por causa da pandemia de Covid-19, Cristina Portugal, presidente da ERSE, regulador do setor da energia, não tem tido mãos a medir.

“Vivenciamos uma crise epidemiológica sem paralelo na forma, na intensidade, na dimensão, na duração. Um intervalo no modo de vida. Quase ao mesmo tempo, em quase todo o mundo”. A descrição do momento atual é feita pela presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), que diz que apesar deste “intervalo”, não está parada, nem pode parar. Em entrevista ao ECO para os Gestores em teletrabalho., Cristina Portugal, que está em regime de teletrabalho há mais de um mês, tal como os cerca de 100 colaboradores do regulador que dirige, lembra que a energia não pode falhar.

Procuro manter, tanto quanto possível, as rotinas de trabalho. Sendo rigorosa no cumprimento de horários, noto que a virtualização elimina pontos de distração, traz maior focagem e preparação”, confessa ao ECO a presidente da ERSE. “Ter uma organização a funcionar integralmente à distância traz muitos desafios”, reconhece. “É muito diferente mas, em certos aspetos, mais eficiente”, diz, lembrando que logo no início de março, ainda antes de ter sido declarado o estado de emergência, uma parte dos colaboradores do regulador passaram para o regime de teletrabalho. A partir de 16 de março, a instituição estava já mais preparada e começou a operar 100% nesse regime.

E porque falamos de energia — eletricidade, gás natural, gás de petróleo liquefeito, combustíveis derivados do petróleo, biocombustíveis e mobilidade elétrica — essa eficência é bem-vinda. Isto porque, neste contexto de estado de emergência, a ERSE tem uma responsabilidade acrescida. “Regula serviços públicos essenciais que são imprescindíveis à vida dos cidadãos e ao tecido económico do país. Não podem falhar”, diz a presidente da ERSE ao ECO.

“Esta continuidade de funcionamento depende, também, da ação próxima do regulador e dos cerca de 100 colaboradores da ERSE que estão totalmente cientes e empenhados no papel que têm de desempenhar: o de criar valor para a sociedade através de uma regulação do setor energético independente, transparente e sustentável, da dinamização da eficiência dos mercados e do reforço da confiança dos consumidores”, nota.

"A ERSE regula serviços públicos essenciais que são imprescindíveis à vida dos cidadãos e ao tecido económico do país. Não podem falhar”

Cristina Portugal

Presidente da ERSE

Cristina Portugal sublinha a aprovação, logo, a 17 de março, de medidas excecionais de proteção dos consumidores para impedir cortes de eletricidade e gás natural e facilitar o pagamento a prestações por parte das famílias. Mais recentemente, a ERSE alargou as medidas de proteção a empresas em lay-off e dilatou prazos, salvaguardando a situação de comercializadores de energia. “É fundamental que o mercado continue a funcionar em condições de concorrência”, frisa a presidente.

Seguiu-se a proposta de redução de 3,3% nas tarifas para o gás natural e a atualização da componente de energia nas tarifas da eletricidade, com uma redução de 3%. “Continuámos a publicar boletins informativos, a desenvolver as nossas atividades e reforçámos a informação aos consumidores, por exemplo, com dicas de poupança na energia e alertas sobre más práticas neste período”.

E o futuro, como será? No meio de toda a incerteza, uma coisa é certa: “Todas as previsões e perspetivas para 2020 e anos seguintes têm de ser revistas”. Para isso, a ERSE acompanha em permanência a evolução de todos os indicadores relevantes para os setores da energia que regula, tal como a evolução da procura ou do valor das commodities nos mercados internacionais. “Estamos focados na análise dos dados dos setores regulados para poder agir com rapidez e com segurança”, remata Cristina Portugal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Presidente da ERSE mais focada em teletrabalho. “Energia não pode falhar”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião