Renault fatura menos com a crise. Vendas caem 25,9%

  • Lusa
  • 23 Abril 2020

Principal motivo da descida dos valores faturados fica a dever-se à quebra nas vendas de veículos que baixou 25,9%. Fabricante francesa comercializou 672.962 unidades no primeiro trimestre.

A Renault obteve uma faturação de 10.125 milhões de euros no primeiro trimestre do ano o que corresponde a uma descida de 19,2% em relação ao mesmo período de 2019 em valores absolutos, atribuída à pandemia.

A faturação corresponde ainda a 18,3% em valores comparáveis.

O principal motivo da descida dos valores fica a dever-se à quebra nas vendas de veículos que baixou 25,9% e que ficaram em 672.962 unidades entre janeiro e março, anunciou o grupo fabricante francês de automóveis em comunicado.

Os registos automóveis (matrículas) caíram 36% na Europa, onde as medidas de confinamento afetaram de forma marcante os mercados francês, italiano e espanhol.

Um dos efeitos desta situação transformou a Rússia, pela primeira vez na história do grupo, no primeiro país em relação a vendas de veículos (115.713), à frente da França (110.467) que esteve sempre na primeira posição.

A marca Dacia foi a que sofreu mais em termos comparativos, com uma queda de 40,1%, com apenas 110.279 veículos vendidos em todo o mundo.

A redução de vendas da marca Renault foi de 25,8%, com 427.929 automóveis; a chinesa Jinbei&Huangsong baixou 45%, com 20.055 unidades; a russa Lada com 3,2%, com 90.512 carros.

No que diz respeito às reservas de liquidez, durante o primeiro trimestre de 2020 registou-se uma diminuição de 15.800 para 10.300 milhões de euros.

A Renault que decidiu há duas semanas renunciar à distribuição de dividendos por causa dos efeitos da pandemia, não estabeleceu até ao momento nenhum objetivo financeiro para o ano em curso por considerar que a incerteza atual não pode prever os efeitos futuros.

Na Europa, a atividade produtiva da Renault está paralisada devido às medidas de confinamento, apesar de algumas unidades industriais estarem a começar a funcionar, de forma lenta e gradual.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renault fatura menos com a crise. Vendas caem 25,9%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião