Com “bola” parada, Liga portuguesa estima 400 milhões em perda de receita

  • ECO
  • 24 Abril 2020

Dois meses de suspensão do futebol profissional estarão a resultar em 400 milhões em perda de receita para a Liga. "Bola" poderá voltar a rolar com despiste ao Covid-19 antes dos jogos.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) prevê uma quebra das receitas em torno de 400 milhões de euros por causa da suspensão das competições, uma medida forçada pela pandemia do coronavírus.

A informação foi avançada pelo Jornal Económico (ligação indisponível), numa altura em que se prepara já o regresso da “bola” para concluir as competições suspensas dentro dos prazos estipulados pela UEFA. Segundo a Tribuna Expresso, os cortes nos direitos televisivos estão a ser o principal fator penalizador das receitas dos clubes, mas também a bilhética e o merchandising. A não-abertura do mercado de transferências a 1 de julho também faz antecipar quebras significativas.

Esta sexta-feira foi também revelado, pelo Jornal de Notícias (ligação indisponível), que uma das medidas que está a ser estudada para a retoma dos campeonatos de futebol profissional é a testagem dos jogadores para despiste do Covid-19 antes de cada partida. Além disso, a LPFP quer tomar medidas que previnam a aglomeração de adeptos à entrada dos estádios, estando em cima da mesa a realização dos jogos que faltam à porta fechada.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com “bola” parada, Liga portuguesa estima 400 milhões em perda de receita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião